Author

Umanizzare Brasil

Browsing

Presas do Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF), participaram nesta quarta-feira (8), de uma rodada de conversa no projeto “Cine Cultura”. O projeto é desenvolvido pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a cogestora das unidades prisionais no Amazonas, Umanizzare Gestão Prisional Privada.

De acordo com Sheryde Karoline, erente técnica da Umanizzare, após assistir os filmes, as reeducandas passam por um momento de interação, em uma roda de conversa, como processo de orientação para o retorno à sociedade.

“Outra finalidade do projeto é quebrar a monotonia do dia a dia e proporcionar uma reflexão entre os reeducandos após cada exibição”, disse a gerente técnica.

Sheryde Karoline disse que, com as sessões de cinema, pode se perceber que as reeducandas refletem sobre o tema e o desejo de outra vida após o cumprimento da pena. Segundo a gerente, com o projeto Cine Cultura, se conseguiu diminuir significativamente ocorrências truculentas dentro dos presídios.

“Todos os filmes selecionados têm situações que, de uma forma ou de outra, podem ser usadas para trabalhar mudanças de atitudes e de comportamento que venham a beneficiar as relações interpessoais, bem como despertar em cada reeducanda, motivações que possam cultivar mudanças em sua vida”, disse Sheryde.

Reeducandos do regime fechado do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj Fechado), deram continuidade nesta segunda-feira (13), ao processo semanal de confecção de luminárias em PVC, no “Projeto Mãos Livres”. O projeto está inserido na política de qualificação profissional da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), realizado em parceria com a Umanizzare Gestão Prisional, nas prisões do Estado.

De acordo com a terapeuta ocupacional do Compaj, Nelcineide Silva de Lira, o Projeto Mãos Livres está focado na ressocialização e as oficinas têm cumprido vários papéis nas unidades, desde a mudança de comportamento dos internos, até no interesse em participar das atividades.

“Com o projeto, os reeducandos garantem uma renda extra no final de cada mês e passam a receber qualificação profissional na confecção das luminárias”, disse a terapeuta ocupacional.

 

Nelcineide ainda explicou que, no curso de confecção de luminárias, é ensinado as técnicas que envolvem a criatividade, a coordenação motora, além do uso de matérias primas e decoração para a confecção dos objetos em PVC.

A terapeuta afirmou que o objetivo do projeto é tirar os presos da ociosidade, promover um momento de conhecimento técnico, que servirá em um futuro fora da unidade prisional. Necilneide explicou que os participantes também ganham remição de pena pelo trabalho, podendo reduzir o tempo de permanência na prisão.

“Os reeducandos podem comercializar os artigos de luminárias para obter uma renda para o sustento da família”, disse a colaboradora.  

Reeducandas da Penitenciária Feminina de Manaus (PFM) assistiram nesta terça-feira (14), o filme “Tempos Modernos”, dentro do “Projeto Cine Cultura”. O projeto é desenvolvido pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a cogestora das unidades prisionais no Amazonas, Umanizzare Gestão Prisional Privada.

De acordo com a assistente social da Unidade, Jaqueline Lima, além de promover um momento de interação entre as reeducandas, outra finalidade do projeto é quebrar a monotonia do dia a dia e proporcionar uma reflexão entre os reeducandos após cada exibição.

“Após assistir os filmes, as reeducandas passam por um momento de interação, em uma roda de conversa, como processo de orientação para o retorno à sociedade”, disse a assistente social.

Jaqueline Lima disse que, com as sessões de cinema, pode se perceber que as reeducandas refletem sobre o tema e o desejo de outra vida após o cumprimento da pena. Segundo a assistente social, com o projeto Cine Cultura, se conseguiu diminuir significativamente ocorrências truculentas dentro dos presídios.

Filme

O filme “Tempos Modernos” mostra a vida de operários com a revolução industrial, em que houve a passagem da produção artesanal, para a produção em série. Os operários se submetiam a uma forma de produção em que não era mais de acordo com suas condições físicas e psicológicas, mas sim uma forma de produção que visavam maior lucro independente das condições de seus trabalhadores.

Chaplin vivia o personagem Carlitos, em que era trabalhador em uma grande indústria, fazia em seu trabalho sempre a mesma coisa, diferente dos dias de hoje em que o mercado de trabalho quer profissionais polivalentes, mesmo realizando sempre a mesma atividade, pois é exigido que esse profissional conheça o produto final e outras diversas atividades dentro da indústria.

Aproximadamente 15 reeducandas do Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF) participarão da capacitação que começa na segunda quinzena de agosto. A meta é a ressocialização utilizando o empreendedorismo como ferramenta de trabalho para a geração de renda após o cumprimento da pena.  

A qualificação profissional é desenvolvida por meio de parceria entre a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a cogestora das unidades prisionais no Amazonas, a Umanizzare Gestão Prisional.

As aulas serão realizadas no período de um mês, ministrada pela colaboradora da Umanizzare, Francimeire Araújo. As alunas do curso terão aulas práticas de técnicas de tingimento de pérolas, trama de flores, trama centopeia, trançado de contas, costura de trama, amarração de pedrarias, entre outros.

De acordo com a gerente técnica da Umanizzare, Sheryde Karoline, os cursos possuem um papel fundamental na rotina das internas, que podem transformar o tempo ocioso dentro da unidade em novos aprendizados.

“O estímulo a cursos profissionalizantes e noções de empreendedorismo estão sendo intensificados. As atividades são essenciais para despertar interesses profissionais nas pessoas que estão custodiadas e para tirar o tempo ocioso”, diz a gerente técnica.

 

Remição de Pena – Os cursos são ministrados para devolver a autoestima muitas vezes perdida com a privação da liberdade, ajudar também na redução da pena pelo trabalho, como prevê a Lei de Execução Penal (LEP), e serve para abrir as portas do empreendedorismo para essas mulheres.

“A autonomia econômica é essencial nesse processo de ressocialização e, com esse curso, vamos identificando as vocações e prestando uma espécie de assessoria empresarial”, explica Sheryde Karoline.

Dando continuidade à semana do Reeeducando, promovida pela Umanizzare Gestão Prisional, o Centro de Detenção Centro de Detenção Provisório Feminino (CDPF) estará promovendo entre os dias 8 e 10 de agosto, uma séria de atividades lúdicas, esportivas e de beleza para as mais de 100 mulheres que cumprem pena na unidade.

Para a manhã desta quarta-feira, as atividades estão voltadas para a estética feminina. Mais de 20 internas, que já receberam qualificação profissional este ano por meio do Projeto Lisbela com o auxílio das colaboradoras  Marinez Costa e a Karla Alexandra, prometem uma verdadeira transformação junto nas reeducandas, deixando-as ainda mais bonitas e com a autoestima elevada. A atividade é aberta e para todas que desejarem participar.

 

 

 

 

 

 

Na sequência, as reeducandas terão a oportunidade de conversar com a equipe de psicólogos e psiquiatras após participarem da apresentação: Saúde Mental E Consequências Da Automedicação.

Na quinta-feira (9), terá início ao torneio de vôlei, um dos esportes preferidos das internas nas quadras do pavilhão. Simultaneamente as atividades esportivas, as equipes técnicas multidisciplinares da enfermaria e odontologia estarão ministrando palestras sobre doenças sexualmente transmissíveis (DST), realizando testes de Hiv, Sifilis e Hepatite B. Também será aplicado flúor e enfatizado as técnicas corretas para uma boa escovação.

Fechando as atividades da “Semana do Reeducando” no CDPF

O setor jurídico da Unidade irá realizar a palestra: Prisão Domiciliar. Na oportunidade os advogados irão enfatizar a Lei de Execução Penal, em seu artigo 117, estipula os direitos do condenado judicialmente de cumprir a pena em prisão domiciliar.

A tarde de sexta-feira promete emocionar as  internas com a apresentação das reeducandas cantando e tocando em uma  grande confraternização, como parte do “Projeto Harmonizar”.

 

 

 

 

 

 

 

 

Considerado um dos mais importantes eventos promovidos no Sistema Prisional, a “Semana do Reeducando”, realizada anualmente na segunda semana do mês de agosto, tem por objetivo promover junto à população carcerária, o diálogo, a reflexão e a conscientização sobre temas que envolvem todo o processo de ressocialização, por meio da intensificação e ampliação de atividades educativas, terapêuticas, esportivas, religiosas e de promoção à saúde.

O planejamento, a elaboração da programação e execução das atividades são realizadas pela equipe técnica da Umanizzare, empresa cogestora do sistema prisional, em parceria com a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap).

 

 

 

 

 

Na programação das as atividades destaque para palestras, debates, mesas redondas e apresentação de filmes educativos promovidas pelos setores de Psicologia e Jurídico com a participação de reeducandos e familiares. O Serviço Social coordenará as atividades de corte de cabelos e barbearia e os professores de Educação Física promoverão torneios de futsal, tênis de mesa e dominó.

Na área de saúde haverá palestra sobre prevenção e tratamento das DST’s, além da realização de testes rápidos para HIV, SÍFILIS, HCV e HEPATITE B. O Setor de Psiquiatria realizará palestra sobre “Saúde Mental” para os reeducandos usuários do serviço. Os participantes do “Projeto Harmonizar” farão uma apresentação musical sob a coordenação do professor de música do projeto. Quanto às atividades religiosas, serão realizados pelas Igrejas que evangelizam no Sistema Prisional, cultos ecumênicos, batizados católicos e evangélicos.

 

 

De acordo com a gerente técnica corporativa da Umanizzare, Sheryde Karoline, o objetivo da “Semana do Reeducando” é incentivar a mudança de comportamento e promover a ressocialização e a reintegração entre reeducandos e familiares, por meio do conhecimento, da tomada de consciências e da adoção atitudes positivas. Ainda segundo ela, é importante que a sociedade civil conheça o trabalho realizado no sistema prisional e seus objetivos, para que os preconceitos sejam extintos.

A Semana do Reeducando na Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI) começou com uma palestra sobre a importância do evento, ministrada pela assistente social da equipe técnica da Umanizzare Gestão Prisional, Ana Maria Bezerra, e continuará com uma série de atividades esportivas e de entretenimento em todos os pavilhões, com premiação para os primeiros colocados. Na programação, realizada na quadra dos pavilhões, estão:  torneio de futsal, tênis de mesa, dama e dominó.

 

 

 

 

 

 

Cerca de 100 internos, divididos entre os pavilhões A e B, participam das atividades que servem como um momento de reflexão entre eles, de acordo com o serviço social da unidade. Os apenados participam, ainda, de um concurso de um concurso de redação e poesia. Os textos e versos foram produzidos durante atividades anteriores.

No dia 22 próximo, os internos poderão receber os familiares para participarem juntos do culto religioso da Igreja Pentecostal Do Movimento Missionário Mundial. Padres e Pastores estarão presentes no evento, realizando batismo. Além disso, o serviço social da UPI estará com programação especial para as crianças presentes, através do projeto “O Pequenino”.

Finalizando a Semana do Reeducando em Itacoatiara, no dia 23 serão entregues as premiações aos vencedores de cada torneio realizado e os portões serão novamente abertos para os familiares dos internos para uma grande confraternização.

“Queremos que esta semana seja de muito sucesso, que seja alcançado o principal objetivo proposto, que é o de promover a ressocialização dos internos”, disse a gerente técnica da UPI Maria Domingas Printes.  

Os reeducandos do Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM) participaram na segunda-feira (6), de palestra sobre saúde bucal, com o objetivo de orientar os detentos sobre a importância de cuidar dos dentes. O projeto é promovido pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) em parceria com a cogestora das unidades prisionais, a Umanizzare Gestão Prisional.

De acordo com a psicóloga do CDPM, Flávia Bueno, é muito importante ter dentes saudáveis para evitar problemas como cáries, ausência de dentes e mau hálito, que podem acarretar em baixa autoestima dos internos.

“Na atividade, os reeducandos tiveram a oportunidade de participar de consultas e palestras realizadas por odontologistas, que falaram sobre doenças transmitidas sexualmente por vias orais”, disse a psicóloga.

 

Flávia Bueno explicou que o objetivo da palestra é orientar os reeducandos a assumirem a responsabilidade da saúde bucal, evitando algumas doenças comuns entre os internos, como gengivite (inflamação da gengiva), periodontite e câncer bucal.

“Manter uma boca saudável implica em cuidados diários preventivos, como uma boa escovação e o uso correto do fio dental”, disse a psicóloga.

 

Reeducandos do Instituto Penal Antônio Trindade (IPAT) participaram na quarta-feira, 1 ° de agosto, do curso de música que é promovido no “Projeto Harmonizar”. O projeto é realizado pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) em parceria com a cogestora das unidades prisionais, a Umanizzare Gestão Prisional.

De acordo com o professor responsável pelas aulas de música, Miquéias Fernandes, o projeto foi criado exclusivamente para os reeducandos do sistema prisional do Amazonas e tem como principal objetivo o resgate da autoestima e a dignidade humana, aproveitando-se o tempo ocioso dos presos para cantar, fazer música e   ressocializar.

“A educação musical permite ao ser humano buscar um equilíbrio entre razão e a emoção, provocando reflexão.

Miquéias Fernandes explicou que com as aulas de música, os reeducandos desenvolvem a linguagem musical e oral, juntamente com habilidades rítmicas, visuais, motoras, físicas e psicológicas.

O professor Miquéias Fernandes afirmou que os reeducandos promovem várias apresentações, a partir dos propostas apresentadas dentro do projeto harmonizar.

“Entre as aulas oferecidas aos internos estão a de canto coral, flauta doce, oficina e de violão em grupo.  As aulas acontecem semanalmente em cada unidade, com apresentações internas a cada etapa concluída do curso”, disse Miquéias.

Na primeira semana do mês de agosto, reeducandas do Centro de Detenção Provisório Feminino (CDPF) participaram de curso de oficina em EVA no “Projeto Mãos Livres”. O projeto é desenvolvido mediante parceria entre a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a cogestora das unidades prisionais no Amazonas, a Umanizzare Gestão Prisional.

De acordo com a gerente técnica da Umanizzare, Sheryde Karoline, o projeto busca promover o processo de ressocialização da população carcerária, e, sua reinserção na família e na sociedade por meio das capacitações profissionais.

“O objetivo do projeto é elevar a autoestima, combater a ociosidade e promover uma alternativa de ganho de renda familiar extra às reeducandas, criando artesanatos por meio do Projeto Mãos Livres”, disse a gerente técnica.

 

 

Sheryde explicou que o Projeto tem um papel fundamental na rotina das internas, que podem transformar o tempo ocioso dentro da unidade em novos aprendizados.

Conforme a gerente, as reeducandas afirmam que ganham expectativa de vida após a participação no projeto que é realizado dentro da unidade prisional. Sheryde informa que o projeto de confecção de artesanatos em EVA é a atividade de maior interesse das reeducandas.

 

 

O motivo é o material de fácil acesso, barato e muito colorido. “ O projeto, além de proporcionar a confecção de uma enorme variedade de produtos, leva o incentivo ao empreendedorismo”, ressaltou a colaboradora.