Notícias

‘Remição pela Leitura’ reforça técnicas de redação entre os presos que irão fazer o Enceeja –PPL

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

Os reeducandos que participam do Projeto Remição pela Leitura – desenvolvido pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) em parceria com a Umanizzare Gestão Prisional – empresa que faz cogestão de cinco presídios no Amazonas, saem na frente dos demais presos na hora de prestar o Exame Nacional Exame Nacional do Encceja. Isso porque o projeto foi desenvolvido para assegurar o direito ao conhecimento, à educação e à cultura, proporcionados pela leitura e interpretação da obra lida.

A professora da Secretaria Municipal de Educação (Semed), Gracimar de Sousa Pereira, que faz parte do projeto nas unidades, ressalta que antes das avaliações os internos recebem orientações de como elaborar uma resenha crítica obedecendo os critérios do relatório de leitura (estética, limitação ao tema e fidedignidade da resenha) a serem avaliados pela comissão organizadora do projeto.

“Isso os torna mais preparados e seguros para as provas de redação do Encceja ou do Enem, não tenho a menor dúvida disso.  É gratificante contribuir para esse desenvolvimento educacional”, disse a professora. 

 Os livros escolhidos para a execução do projeto possuem conteúdos voltados para as áreas de superação pessoal, laços familiares, romance, ficção e literatura brasileira.

O Remição pela Leitura também proporciona aos reeducandos um espaço didaticamente adequado para o estudo e motiva a criação e manutenção de grupos preparatórios, com estagiários para tirar dúvidas e aumentar as chances de sucesso dos internos quando forem prestar os exames. 

“O projeto nasceu com a proposta de tornar mais brando o processo penal – e visava diminuir a pena dos internos participantes através da leitura de obras, mas hoje é uma referência em educação dentro do sistema prisional. Além de buscar a potencialização dos valores humanos dos internos, a atividade é também uma forma de crescimento intelectual, gera a diminuição do sentimento de exclusão da sociedade e evita a ociosidade no ambiente penitenciário”, acrescentou a coordenadora de projetos Maria Domingas Printes. 

CNJ –  Recomendado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e previsto na Lei de Execução Penal (LEP), o Programa de Remição pela Leitura visa reduzir a pena dos internos utilizando obras literárias, prática que tem-se mostrado uma extraordinária ferramenta também para a melhoria do convívio interno nos presídios.

Nas unidades operacionalizadas pela Umanizzare, existe um calendário regular de aplicação das avaliações escrita e oral que contam com convidados de outras instituições para compor a banca avaliadora, juntamente com as equipes técnicas. Além de reduzir a pena, o projeto tem sido fundamental para a mudança de comportamento dos reeducandos.

Publique um comentário