Últimas notícias
Author

Umanizzare Brasil

Browsing

Com o intuito de diminuir possíveis contágios que causam infecção aguda no sistema respiratório, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) em parceria com a Umanizzare promoveu, durante o mês de abril e a primeira quinzena de maio, campanha de vacinação em combate ao vírus influenza, do tipo A, e seus subtipos, como a H1N1 e H3N2. Nas seis unidades contempladas (CDPF, CDPM, IPAT, PFM, UPI e UPP), o volume de vacinação superou expectativas, chegando ao total de 2.810 internos e 663 profissionais imunizados.

Stephanie Cristine, enfermeira lotada na CDPM, explica que esta imunização se faz importante devido às possíveis complicações ocasionadas pelo vírus, como a pneumonia. “A proposta da campanha é evitar ou diminuir, de forma substancial, o número de internações e mortes”, conta. A profissional ainda lembra que a infecção primária pode desencadear outras contaminações.

A ação, realizada anualmente, se fez ainda mais importante neste momento em que se vive a pandemia da Covid-19. Desta forma, as instituições também contribuem para uma menor necessidade de hospitalização, ao proteger do influenza, colaboradores e reeducandos.

Sobre o vírus

Tornando-se conhecido mundialmente entre 2009 e 2010, o vírus influenza causa sintomas similares ao de uma gripe comum, como febre alta, mal-estar, dor de cabeça, espirros e tosse. Em alguns casos, ainda pode causar dificuldades de respiração ou falta de ar. Além disso, é altamente contagioso e pode viver de duas a oito horas em superfícies.

A vacinação é o melhor caminho para a prevenção. No entanto, algumas medidas diárias também podem ser feitas para evitar o contágio. Assim como para evitar a transmissão e contágio do Novo Coronavírus, lavar sempre as mãos e rosto, utilizar álcool em gel, não compartilhar utensílios de uso pessoal e evitar o contato com pessoas infectadas, são medidas a serem adotadas para se manter saudável.

Devido à suspensão das visitas dos familiares aos reeducandos, no mês de abril a Unidade Prisional de Itacoatiara realizou uma ação para contato via telefone e vídeochamada com entes queridos.

Por determinação da Secretaria do Estado de Administração Penitenciária (SEAP) foram suspensas as visitas aos presos obedecendo ao protocolo de ações preventivas contra a Covid-19 deliberado pelo Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN) e pelo Conselho Nacional de Secretários de Estado e Justiça (CONSEJ). Diante da confirmação do primeiro caso da doença no Estado, a entrada de visitantes externos, sejam eles familiares, advogados ou defensores públicos, foi suspensa por período indeterminado.

​ Durante a ação, foram realizadas 295 chamadas, sendo que cada reeducando tinha direito a duas ligações de 5 minutos. Foram adotadas todas as medidas de proteção à saúde dos reeducandos para que os mesmos pudessem realizar as ligações.

​ A ação contou com a coordenação do diretor da unidade Antônio Enriques Cordeiro (SEAP); do representante da Umanizzare, Sr. Ivo Murilo, da assistente social Ana Maria Bezerra, da psicóloga Patrícia Mendes, dos supervisores Jefferson Azevedo e Fabio Samuel e dos monitores de ressocialização prisional. Para o interno Timóteo dos S.G, com a situação da pandemia e a suspensão das visitas, é por meio das ligações e vídeo chamadas que ele pode matar a saudade da mãe, dos filhos e da companheira. De acordo com a assistente social Ana Maria Bezerra, foi de suma importância esta ação na unidade. Percebe-se que os reeducandos ficaram menos ansiosos e expressaram satisfação em falar com alguém da família.

O Instituto Penal Antônio Trindade (IPAT) iniciou no dia 30 de abril o torneio de futsal com reeducandos do pavilhão “A” e prestadores de serviços da unidade. Participaram da atividade 56 internos e a forma de competição foi eliminatória, com a equipe Alemanha vencedora.

O objetivo principal da competição é a ressocialização dos internos e oferecer a eles por meio do esporte a prática de exercícios físicos que traz benefícios para o corpo e a mente, aumenta a oxigenação do cérebro, fortalecendo os ossos e fortificando os músculos.

Segundo o reeducando Robson dos Santos da Silva, a interação entre os internos ocupa a mente e traz diversão para passar o tempo. O esporte proporciona uma qualidade de vida, quebra o sedentarismo, a rotina e melhora a qualidade de vida dos internos. Na data, foi comemorado o Dia do Trabalhador e, pelo fato de serem considerados trabalhadores e por saberem que foram escolhidos dentre muitos para participarem, o torneio foi motivo de orgulho pelos internos.

Vinte internos do Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), localizado no quilômetro oito, da BR-174 (Manaus-Boa Vista), concluíram, nesta quarta-feira (06/05), o primeiro curso de Confecção de Máscaras Descartáveis oferecido na unidade pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e pela Umanizzare Gestão Prisional.

No curso, eles aprenderam como confeccionar máscaras descartáveis hospitalares, identificar os principais materiais e equipamentos utilizados na atividade, manusear as máquinas para a preparação das modelagens e corte em escala de produção.

Também receberam noções básicas de empreendedorismo e segurança no trabalho, relações interpessoais, ética, higiene pessoal, ambiental e industrial.

As mil máscaras que foram produzidas pelos apenados, no decorrer do curso, serão doadas aos colaboradores da unidade e encaminhadas aos profissionais do sistema de saúde com o intuito de ajudar no combate ao novo coronavírus.

De acordo com o diretor do Ipat, Márcio Pinho, mais internos irão passar pelo curso e a confecção das máscaras de proteção será contínua devido ao seu alto grau de importância atual. “Com essa iniciativa esperamos resguardar muitas vidas”, frisou.

Remição de pena – Os apenados que participaram das aulas receberam certificação com carga horária de 120 horas e o direito de remir a pena pelo estudo e pelo trabalho não remunerado, conforme prevê a Lei de Execução Penal (LEP).

Texto: Jamilly Nascimento

Fotos: Divulgação/Seap

Nos dias 29 e 30 de abril, o Centro de Detenção Provisória Feminino realizou uma ação em combate à H1N1.  A ação contou com o apoio da Direção da Unidade, das equipes operacional, administrativa e técnica e da coordenação de saúde da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP). 

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a H1N1 é uma infecção viral aguda de elevada transmissibilidade e distribuição global, com tendência a se disseminar facilmente em epidemias sazonais e também pode causar pandemias. De acordo com a OMS, estima-se que a ocorrência de casos da influenza varia de leve a grave e pode levar ao óbito, principalmente em grupos de alto risco.

A vacinação ocorreu dentro dos pavilhões da CDPF. Vale ressaltar que, antes de iniciar a ação, o enfermeiro deu uma orientação sobre a importância da higiene das mãos com água e sabão e de evitar levar as mãos ao rosto e principalmente à boca. A transmissão ocorre da mesma forma que a gripe comum, ou seja, por meio de secreções respiratórias, como gotículas de saliva, tosse ou espirro, principalmente. Após ser infectada pelo vírus, uma pessoa pode demorar de um a quatro dias para começar a apresentar os sintomas da doença. Da mesma forma, pode demorar de um a sete dias para ser capaz de transmiti-lo a outras pessoas.

No total, 82 reeducandas e 81 colaboradores foram vacinados. A ação contou com o apoio do enfermeiro Anderson Viana, as técnicas de enfermagem Dalismar da Costa, Sabrina Rolim e Caroline da Silva, a dentista Rejane Marques, o educador físico Rodrigo Goes, a psicóloga Ana Paula, o apoio de projetos Francisca Kelly, a gerente de estatística Mariana Cunha e a diretora da unidade Maria do Socorro Pinto.

A Unidade Prisional de Itacoatiara tem a preocupação de oferecer aos reeducandos o direito ao conhecimento, ao estudo, à educação, à cultura e ao desenvolvimento do pensamento crítico. Hoje, a unidade conta com um espaço destinado a biblioteca com acervos literários. O monitor e reeducando Rondinelli Abreu Cavalcante faz o trabalho nos pavilhões de entrega de obras para serem lidas bem como a catalogação das mesmas.

O principal objetivo da atividade é incrementar e fortalecer o projeto de Remição pela Leitura, além de incentivar a leitura literária em seu cotidiano e proporcionar condições para que o reeducando tenha acesso à informação e  conhecimentos, fazendo da prática um hábito dentro e fora da unidade prisional.

No mês de abril, foram entregues 34 obras para os pavilhões A e B e na enfermaria foram catalogadas 9 obras. Para Rondinelli, o projeto traz oportunidade de melhorar o conhecimento e trazer entretenimento aos reeducandos por meio da leitura.

Teve início em 1º de abril mais um “Projeto Atividade Laboral” no Instituto Penal Antônio Trindade (IPAT), com reeducandos do pavilhão “A” da unidade. 

O projeto de incentivo da empresa Umanizzare, realizado em parceria com a Secretaria de Administração Penitenciaria (SEAP), conta com o oferecimento diário de ginástica laboral e aeróbica. O objetivo dessa atividade para a população carcerária é proporcionar um trabalho terapêutico. 

As atividades promovem um bem-estar físico, diminuem o estresse, minimizam tensões emocionais e psicológicas, além de reduzirem a incidência de depressão e de ansiedade. Na ocasião, 64 reeducandos estiveram presentes. 

A atividade de coleta de exames acontece mensalmente na Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), tendo como objetivo a realização de exames para diagnosticar e controlar possíveis alterações que possam ocasionar algum tipo de enfermidade. 

Em 27 de março, deu-se início à atividade no setor da enfermaria, com os reeducandos que passaram por consultas médicas e que tiveram solicitados tais exames. O procedimento foi realizado pelo técnico de enfermagem Hamilton Matos.

Ao total, foram realizadas coletas em 7 reeducados e feitos os seguintes exames: HEMOGRAMA, EAS, EPF, VDRL, GLICEMIA, UREIA, CREATININA, TGO, TGP, BILIRRUBINA TOTAIS E FRAÇÕES, FOSFATASE ALCALINA, GAMA GT E COAGULOGRAMA. A unidade conta com o apoio do Laboratório Central (Lacen), que disponibiliza o material da coleta. 

Ao término da atividade, todos os internos são orientados com os cuidados dos pós-coleta. O material coletado é encaminhado para o LACEN e os resultados, liberados em torno de dez dias. Após a liberação dos resultados, os mesmos serão analisados pelo médico da unidade Dr. Dennis Suero.

Seguindo as diretrizes e orientações de todos os órgãos da saúde nacionais e estaduais a Umanizzare mais uma vez se destaca no que tange aos cuidados para proteção do foco principal da empresa: as pessoas. Em ações preventivas contando com apoio dos profissionais da saúde, RH e SESMT, a empresa implementou protocolos na entrada das unidades prisionais, foram realizados treinamentos de biossegurança para lavagem adequada das mãos e um local, disponibilizado na portaria.

Com o apoio da equipe multidisciplinar da unidade, foi incorporado um protocolo de triagem das pessoas que a acessam, prevendo: organização da entrada para evitar aglomeração e manter o isolamento, aferição da temperatura, higienização dos calçados, higienização das mãos – todo esse processo acompanhado e orientado por um profissional capacitado. “Esse protocolo é fundamental para identificar casos sintomáticos em nosso ambiente de trabalho, que serão avaliados por um médico e acompanhados pelo Departamento de Recursos Humanos” diz a Gerente de RH, Érika Borges.

Ainda com o objetivo de minimizar o risco de exposição e contaminação pelo coronavírus, foram implantadas medidas de limpeza e higienização dos ambientes, maçanetas e demais superfícies que poderiam estar contaminados.
Todos os profissionais da saúde e equipe de movimentação de reeducandos utilizam as máscaras indicadas para cada função que compõe o fardamento e Equipamento de Proteção Individual (EPI) adequado. 

De acordo com o Ministério da Saúde, as máscaras de tecido reutilizável também impedem a disseminação de gotículas expelidas pelo nariz ou pela boca do usuário no ambiente, garantindo uma barreira física que vem auxiliando na mudança de comportamento da população e na redução da transmissão dos casos.

Como forma de cuidar e assegurar que os colaboradores possam contribuir para a redução da transmissão do coronavírus, foram disponibilizados para cada colaborador da unidade prisional um kit contendo: máscara de tecido reutilizável (esterilizada), manual de instruções (uso e higienização) e uma embalagem individual para correta armazenagem. A máscara tem duas camadas de tecido (que por si já são eficazes na proteção) e um filtro que, quando combinado com lenço de papel ou tecido, aumenta o fator de proteção das vias respiratórias.