Últimas notícias
Author

Umanizzare Brasil

Browsing

A Umanizzare realizou o Curso de Confecção de Máscara em tecido, no Centro de Detenção Provisório Feminino (CDPF). A iniciativa faz parte do Projeto NAP e teve carga horária de 120 horas.

O curso tem por objetivo qualificar as reeducandas para atuar no mercado profissional, proporcionando oportunidades para atuar de forma ética e profissional no ambiente de trabalho.

As aulas foram administradas pela instrutora, Elite Bindá e 11 reeducandas participaram da qualificação. O método de abordagem investido foi: introdução, tipos de equipamentos de costura, tipos de tecido e passo a passo da modelagem e confecção de máscaras. Na ocasião foram confeccionadas 1.106 máscaras.

A Umanizare promoveu a 6ª edição/2020 do projeto, Remição Pela Leitura no Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF). O objetivo da atividade é dar continuidade, como parte da dinâmica prisional, ao incentivo do hábito da leitura como forma de conhecimento, favorecendo a mudança de comportamento por meio da ocupação por uma atividade educacional, além de ajudar as reeducandas a assumir uma responsabilidade com prazos e com a qualidade de sua produção.

A atividade foi desenvolvida pelo setor de psicologia, representada pela psicóloga da unidade, Ana Paula Nogueira Pereira e com o apoio da Gerência de Unidade, do Operacional e o Apoio de Projetos.

A metodologia aplicada no projeto é dividida em duas etapas: no início do mês são distribuídas as obras literárias para as reeducandas residentes do Pavilhão 1, 3, anexo e corredor e no final do mês, são aplicadas as provas finais.

As 25 reeducandas participantes apresentaram o teor da obra literária sugerida e se identificaram com a atividade, além de apresentarem comportamento adequado e discurso coerente com a proposta. Aquelas que foram aprovadas receberam a orientação para dar continuidade na atividade na próxima edição, uma vez que obtiveram desempenho satisfatório. A reeducanda, Maria Renata Reis Lopes, partilhou a alegria em participar do projeto: “Estou aproveitando todas as atividades oferecidas pela Unidade, já participei dos cursos profissionalizantes e agora estou na Remição Pela Leitura. A leitura me mostrou muitas coisas, e fico feliz por isso”.

A Psicóloga da Unidade pontuou a satisfação de vivenciar os novos conceitos sendo implantados às reeducandas. “Conseguimos ver que por meio da leitura, muitas desenvolveram melhoria na escrita, bem como, fortaleceram o hábito de ler e desenvolveram o crescimento intelectual”.

Na última sexta-feira (11/9), a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), juntamente com a Umanizzare, realizaram a entrega de certificados do curso de pedreiro na Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI).

O curso faz parte do projeto de ressocialização que capacita e prepara os internos para a vida fora do sistema prisional. Na ocasião, os internos adquiriram conhecimentos sobre a história da construção civil e da ocupação de pedreiro, o uso de ferramentas e materiais básicos de trabalho, técnicas de construção de paredes, além de organização e preparo do local de trabalho. O curso teve a duração de 120h e capacitou 15 reeducandos.

Durante a cerimônia, que contou com a presença das promotoras de Justiça do Município de Itacoatiara, Tânia Maria Azevedo e Mirella Cristine, o diretor da UPI, Antônio Cordeiro, reforçou que a realização de cursos desse tipo pode mudar a história de muitos detentos. “O objetivo do curso é formar cidadãos competentes, qualificados e que exerçam a profissão com dignidade para sustentar sua família longe da ilegalidade”, comentou. Ainda de acordo com o diretor, “a chance de mudar foi dada para os internos, agora eles têm uma perspectiva de futuro, com uma profissão e certificado, possibilitando que saiam do sistema de cabeça erguida. ”

A Umanizzare e Seap seguem realizando projetos com o objetivo do desenvolvimento integral dos reeducandos e da efetiva transformação de vidas, cultivando valores como ética, dignidade, aprendizado, capacitação, valorização da vida e humanização das relações internas.

Com o intuito de amenizar o estresse no cotidiano do cárcere privado, a Umanizzare segue realizando o projeto espaço terapêutico. No mês de agosto, foram realizadas atividades em todas as unidades cogeridas, para melhorar a relação interpessoal e o trabalho em grupo.

Para as reeducandas que estão gestantes foram realizados exercícios e alongamentos específicos. As futuras mamães também participaram de uma palestra informativa quanto aos cuidados no desenvolvimento infantil, visando a preservação do bem-estar físico, emocional e comportamental da criança.

O espaço terapêutico consiste em um trabalho em grupo com os reeducandos, cujo objetivo é promover um processo de aprendizagem coletiva com trocas de experiências entre cada participante. A reciprocidade nas interações possibilita a partilha de significados, de conhecimentos e de valores, configurando-se, assim, no contexto social e cultural. Aprender em grupo proporciona uma leitura crítica da realidade, além de ser uma atitude investigadora e uma abertura para as dúvidas e respostas de cada ser.

Em agosto, a Umanizzare retomou as aulas de flauta doce no Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF) após o período mais severo do isolamento. A atividade faz parte do projeto Harmonizar.

O retorno do projeto musical vem ocorrendo gradativamente, com turmas reduzidas, orientações e cuidados redobrados. No primeiro momento as internas tiveram alguns esclarecimentos com relação ao distanciamento e os cuidados com a higienização das mãos e das flautas durante as aulas teóricas e práticas.

Dentre os exercícios, as internas iniciaram uma pequena peça musical do livro Iniciación a la Flauta Dulce, de Judith Akoschky e Mario A. Videla, em grupo, enquanto o professor, André Carvalho, executava uma melodia. Na ocasião, participaram da atividade 10 reeducandas.

Flauta doce e seus benefícios

A flauta doce proporciona o desenvolvimento da audição, o contato com a leitura musical, o estímulo à criatividade, além de auxiliar no desenvolvimento psicomotor. Ela também traz calma, paciência, melhora o raciocínio, auxiliar na convivência com as pessoas e fortalece o pulmão.

Como parte do programa de ressocialização promovido pela Umanizzare, as reeducandas do Centro de Detenção Provisória Feminino – CDPF, participaram do projeto Cine Cultura.

As sessões foram realizadas com base nas orientações do Ministério da Saúde, respeitando o distanciamento social. Com o apoio da psicóloga Ana Paula Nogueira, o filme exibido durante o mês foi “Extraordinário”. Ele foi escolhido pela temática que retrata a empatia e faz despertar a capacidade de sentir. Após a exibição do filme foi realizada uma roda de conversa para discussão sobre o assunto.

Para a reeducanda Núbia Barbosa, “esse filme mostra a realidade de muitas crianças que sofrem bullying e o garotinho consegue superar essa fase difícil, sendo exemplo de superação.” A atividade, além de levar educação e cultura, também favorece a ressocialização, já que engloba o desenvolvimento integral das reeducandas, bem como as crenças formadas, possibilitando melhores reflexões sobre as diversas áreas de vida.

Com o objetivo de preservar a saúde física e mental dos reeducandos a Umanizzare vem realizando diariamente os projetos Medida Certa e a Ginástica Laboral em todas as unidades sob gestão da empresa.

Tendo início em 2017, o Medida Certa é um projeto voltado para atividades físicas de todos os internos, com apoio especial aos que sofrem de hipertensão, diabetes, obesidade ou são idosos. Para o professor de Educação Física do Centro de Detenção Provisória Feminina, Cleverson Cruz Guimarães: “A intenção do projeto medida certa é fazer com que as internas tenham uma melhor qualidade de vida e bem estar, principalmente as do grupo de risco e as grávidas que temos na unidade. Fazendo da rotina delas um pouco menos estressante e contribuindo na perda de peso, manutenção da saúde, melhora da autoestima e promovendo uma sensação de bem estar,” enfatiza.

Já com a intensificação dos trabalhos a Umanizzare sentiu a necessidade de criar um projeto voltado para a ginástica laboral antes das atividades. Em janeiro de 2020, foi criado o “Ginástica Laboral”, onde os internos realizam uma série de exercícios físicos de 10 a 15 minutos antes de começarem os trabalhos com o objetivo de melhorar a saúde e evitar lesões por esforço repetitivo.

Nos dias 6 e 7 de agosto, a Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI) realizou uma ação do Dia dos Pais com a participação de 100 reeducandos. No primeiro dia, foi organizado um torneio de futsal e um torneio de dominó, com a grande final no dia 7 e um lanche coletivo de comemoração.

Para a psicóloga da unidade, Patrícia Mendes, “essa ação trouxe o resgate de que as atividades estão retornando a sua normalidade e também de reflexão do papel de pai e a importância do vinculo familiar”. O reeducando Rosimar Moraes, informou que esses momentos de descontração são importantes para o preso que tem sua liberdade limitada de atividades.

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) retomou as aulas do Curso de Pintura Predial no Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), nesta segunda quinzena de julho. A ação é realizada em parceria com a Umanizzare Gestão Prisional, por intermédio do Núcleo de Aprendizado Profissional (NAP). A capacitação que havia sido iniciado em março foi interrompida devido à pandemia do Novo Coronavírus.

Com previsão de término para agosto, as aulas que acontecem de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h, são divididas em teoria e prática.

Durante a capacitação, os internos irão adquirir diversos conhecimentos acerca do ofício de pintor, abrangendo introdução à pintura, saúde e segurança no trabalho, tintas em geral, ferramentas utilizadas na atividade e o passo a passo do processo.

Também fazem parte da ementa os cuidados necessários que se deve ter para pintar paredes antigas, orçamento de materiais, cor da tinta, iluminação do ambiente, controle de qualidade, dicas de como prevenir e corrigir defeitos na pintura, meio ambiente e descarte correto de tintas. Como atividade prática, os participantes poderão pintar áreas dentro da unidade prisional, carentes de reparos e pintura.

Com carga horária total de 160 horas, 20 reeducandos do programa de ressocialização “Trabalhando pela Liberdade” irão receber a certificação no final do curso. Conforme determina a Lei de Execução Penal (LEP), os reeducandos que estão participando do curso têm direito a remir um dia da pena a cada 12 horas de frequência escolar.

O diretor adjunto do Ipat, Dillaney Silva Fabar, explicou os cuidados que foram tomados para que o curso pudesse ter continuidade. “Continuamos seguindo rigorosamente todas as recomendações de saúde para a prevenção do contágio quanto ao Novo Coronavírus, no retorno gradual das atividades do sistema prisional. É importante que os reeducandos se sintam seguros durante a capacitação”, pontuou.

Texto: Jamilly Nascimento, com colaboração da Santafé Ideias
Foto: Divulgação/Seap

As visitas ao sistema prisional estão sendo retomadas de forma gradual, neste mês de julho. Essa foi uma determinação da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), onde aqueles que tiverem interesse podem realizar o agendamento por meio do aplicativo “Visita Legal”. No entanto, as chamadas de vídeos continuam, com esquema de revezamento entre as visitas, mantendo o protocolo de medida preventiva ao Novo Coronavírus.

Devido à pandemia da Covid-19, desde 14 de março, as entradas de visitantes externos, sejam eles familiares, defensores públicos ou advogados, ficaram suspensas em todas as penitenciárias do Estado do Amazonas. Foi então implementado o projeto de ligações por vídeo e chamadas de voz, em todas as unidades sob gestão da Umanizzare.
 
Para atender as orientações recomendadas da Organização Mundial de Saúde (OMS), as visitas estão divididas em dois turnos (manhã e tarde) e limitadas ao número de 100 pessoas em cada período, totalizando 200 visitantes diariamente, por unidade prisional, de segunda a sexta-feira. Internos do grupo de risco não poderão receber visitas até segunda ordem, mas continuam a ter contato com familiares por meio das chamadas de vídeo ou ligações.