Author

Umanizzare Brasil

Browsing

A Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI) realizou nesta semana a atividade de coleta de sangue para exames de diagnóstico e prevenção de doenças entre os reeducandos.

Os exames de sangue acontecem mensalmente, ou sempre que necessário, conforme indicação dos profissionais de saúde de cada unidade, seguindo calendário de prestezas da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz cogestão em seis presídios no Amazonas.

A ação tem como objetivo diagnosticar e controlar possíveis alterações que possam provocar doenças junto à população carcerária.  A Unidade Básica de Saúde José Resk e o Laboratório Central (LACEN), foram parceiros na atividade, disponibilizando material para a coleta dos exames, entre eles: Hemograma, Triglicérides, Colesterol, Ácido Úrico, Glicemia, VDRL, Urina (EAS) e Fezes (EPF). Os resultados devem ficar prontos até o dia 15 de abril.

Após os testes laboratoriais, caso seja identificado algum tipo de doença, tem início o tratamento pontual e, se necessário, o agendamento imediato do reeducando com o médico.

A enfermeira da unidade, Graciane Fábio, explicou aos internos que os exames de sangue são importantes para identificar possíveis desordens, na maioria das vezes doenças silenciosas como:  diabetes, a hipertensão, o colesterol alto e até alguns tipos de câncer.

“Nosso trabalho começa bem antes da coleta, vamos plantando a sementinha da importância da coleta de sangue, humanização a ação, realizando um acolhimento, tranquilizando os mais ansiosos, e vamos também explicando como funciona a preparação dos mesmos para o antes e pós procedimento – desjejum, por exemplo”, destacou a enfermeira.  

Para o reeducando, Rondineli Abreu Cavalcante, “é de suma importância a coleta, não é porque estamos aqui que não devemos nos cuidar, prevenir doenças.  Eu também gostei da iniciativa e da preocupação dessa equipe, eles estão de parabéns”, disse Rondineli.

Todas as quartas-feiras, as internas do Centro de Detenção Provisório Feminino – CDPF, por meio do setor de psicologia da unidade, assistem a um longa nacional.

Esta semana, as internas irão ver o filme “Que Horas Ela Volta” – que conta a história da pernambucana Val, interpretada por Regina Casé, que se mudou para São Paulo a fim de dar melhores condições para sua filha Jéssica.

De acordo com psicóloga da unidade, Igo Felipe, após assistir ao filme, as reeducandas passam por um momento de interação, em uma roda de conversa, como processo de orientação para o retorno à sociedade.

“Os filmes possibilitam enxergarmos a realidade com mais clareza e um maior entendimento sobre nossos sentimentos. Isso é fundamental no processo de reinserção dos internos”, destacou.


A atividade faz parte do projeto Cine Cultura para promover lazer e conhecimento para as internas, através da sétima arte.

Outra finalidade do projeto é quebrar a monotonia do dia a dia proporcionando lazer, conhecimento e reflexão entre as reeducandas após cada exibição.

A gerente técnica da Umanizzare, Sheryde Karoline, acrescenta que com as sessões de cinema, as reeducandas passam a refletir sobre o tema, agregando valor ao comportamento das reeducandas.  “Os filmes selecionados têm situações que, de uma forma ou de outra, podem ser usadas para trabalhar mudanças de atitudes e de comportamento que venham a beneficiar as relações interpessoais, bem como despertar em cada reeducanda motivações que possam cultivar mudanças em sua vida”, disse Sheryde.

Durante o mês de março aproximadamente 30 internas, com rotatividade de pavilhão diferente a cada semana, participaram do projeto.

A reeducanda, Ruth Helena do Rosário Gomes, do Pavilhão 3, foi uma das que curtiu o filme. “A atividade proporciona momentos de descontração e interação com outras reeducandas, além do conhecimento que ganhamos com os filmes”, finalizou Ruth.

Cine Cultura –  Entre as diversas ações realizadas pela Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz a cogestão de seis presídios no Amazonas, com a Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap), está a exibição de filmes, por meio do Projeto Cine Cultura.

Desenvolvido em 2015, o Cine Cultura tem sido utilizado para manter a saúde física e mental dos reeducandos, visando o seu retorno à sociedade.

Durante todo o mês de março, principalmente na Semana Nacional de Mobilização e Luta Contra a Tuberculose que acontece entre os dias 24 a 31 deste mês, as atividades relacionadas a informação da doença: sintomas, contágio, prevenção e cura – são intensificadas pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) em parceria com a Umanizzare Gestão Prisional, que faz cogestão em seis presídios do Amazonas.

Nesta semana, as internas do Pavilhão 3 receberam informações e orientações sobre os principais meios de contágio da Tuberculose e o que fazer para se manter saudável.

Ministrada pelo enfermeiro, Anderson Viana Pompeu, as reeducandas receberam palestra e assistiram a um vídeo explicativo sobre essa patologia infectocontagiosa que afeta principalmente os pulmões, mas também pode acometer órgãos como ossos, rins e meninges (membranas que envolvem o cérebro).

Conforme o enfermeiro, em um ambiente prisional, a atenção deve ser redobrada, devido às diversas peculiaridades (ambiente fechado) e o próprio convívio entre as detentas.

“Estamos em permanente observação a qualquer manifestação da TB, comunicando imediatamente à equipe médica sobre qualquer ocorrência. Mas é importante contar com a ajuda das internas neste processo de prevenção e controle da doença”, disse o enfermeiro ressaltando a importância de atividades que levam informações as custodiadas, as transformando em multiplicadoras, em agentes de saúde.

A reeducanda Daiane Seixas dos Santos estava entre as participantes e reconheceu a importância de estar bem informada e atenta:  “Agora eu sei que tosse, cansaço, febre no final do dia, suor à noite, emagrecimento, gânglios no pescoço podem ser alguns sintomas da tuberculose e que a melhor forma de prevenir a transmissão da doença é fazer o diagnóstico precoce e iniciar o tratamento adequado o mais rápido possível, e esse tratamento só termina quando o médico confirmar a cura total do paciente”, finalizou Daiane.

Aproximadamente 121 internos da Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI) estão participando de cursos sobre direitos, deveres e cidadania das pessoas com liberdade privada no Amazonas. As palestras são realizadas em toda a unidade, dividida entre os Pavilhões, “A”, “B”, Triagem e Enfermaria.

De acordo com o advogado, Michel Alex da Cunha Alves Maia, a palestra contribui para que o custodiado receba algumas normativas e informações que farão toda a diferença durante e após o cumprimento da pena, tornando-o novamente capaz de viver pacificamente no meio social.

“É importante que os internos conheçam não só seus direitos, mas também os deveres, afinal se uma parcela maior de internos obtiver auxílio satisfatório no processo de reeducação durante a detenção, a sociedade seria beneficiada com a diminuição dos índices criminológicos e, ainda, os próprios internos, achariam novamente, seu espaço dentro do meio social”, disse o advogado.

Após as informações, os participantes puderam fazer perguntas, como o reeducando Everaldo Barbosa da Silva, que questionou sobre “como ter direito a remição de pena e quando começa a computar o tempo para efeito de benefício de progressão de regime”. O advogado explicou que a data base, que seria o marco inicial para progressão de regime, se dá pela a última prisão, ou seja, pode ser pela data da prisão em flagrante ou pela data da prisão após sentença condenatória ou data da prisão preventiva.  O advogado ressaltou ainda que os projetos de ressocialização oferecidos pela Umanizzare são um dos caminhos para a remição de pena.

Nove em cada 10 detentos brasileiros não possuem qualquer documento pessoal em seu prontuário no estabelecimento prisional, o que afeta diretamente a possibilidade de ressocialização. Com o objetivo de garantir e promover os direitos fundamentais dos apenados, no Amazonas, a Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz cogestão de seis presídios, administrados pela Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap), realiza mutirões jurídicos e sociais que beneficiam os reeducandos neste processo de identificação:  emissão de Registros Gerais (RG), Cadastro de pessoas Físicas (CPF) e Certidões de Nascimento e Carteira de Trabalho.

Nesta semana os internos da Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), foram beneficiados com a emissão documentos, durante o “Mutirão de Emissão de Registro Geral (RG) de primeira e segunda via.

A ação contou com a parceria da Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc). “Assim que soube que a Sejusc estava na cidade fiz o contato, e eles prontamente nos atenderam. Temos consciência de que a falta de documentos é um obstáculo invencível para a reintegração dessas pessoas na sociedade”, disse o diretor da unidade / Seap, Antônio Enrique Cordeiro.

O secretário da Sejusc, Iramilsom Freitas, destaca que é habitual os detentos chegarem às unidades prisionais sem qualquer documento de identificação e que ter um serviço social ativo dentro do cárcere – realizando mutirões – permite o resgate da cidadania das pessoas privadas de liberdade, seja por meio da emissão do registro civil ou de outra atividade.

“O documento permite que essa pessoa possa ter a oportunidade de participar de ações, cursos e programas que objetivem uma mudança em suas vidas, como, por exemplo: o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec)”, ressaltou o secretário.

Conforme a assistente social da UPI, Ana Maria Bezerra, a ação é importante para os presos, não só para quando ganharem a liberdade, mas para que se sintam amparados, “legalmente” e “humanamente” pela unidade. “Sem documentos, eles não podem ser inseridos em programas de educação, saúde e trabalho. Atualmente, a Justiça também exige documento para os presos que saem em condicional”, afirmou Ana.

O benefício chegou para um interno de 38 anos, que depois de passar cinco anos sem a carteira de identidade conseguiu a segunda via da documentação. “Eu tinha perdido meu documento. É muito importante, porque agora posso participar dos cursos profissionalizantes sem dizer que quando sair daqui precisarei dela para tudo, inclusive para conseguir emprego”, afirmou.

Como acontece periodicamente, a Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz cogestão em seis presídios do Estado, realiza ações preventivas no combate à tuberculose nas unidades prisionais. Nesta segunda-feira, (25), reeducandos do Instituto Penal Antônio Trindade (IPAT) e do Centro de Detenção Provisória de Manaus (CDPM,) receberam informações sobre a doença: sintomas e cuidados que podem evitar o contágio, bem como a necessidade de seguir o tratamento até o fim quando for diagnosticado com a patologia.

Em Itacoatiara – município localizado a 269 km de Manaus – os detentos já participaram de palestras e atividades preventivas, que são reforçadas no mês de março com campanhas. Com o tema: “Todos juntos no combate à Tuberculose”, 53 internos do Pavilhão A, Triagem e Enfermaria, participaram de palestra e uma dinâmica de grupo.

“Após a palestra, dividimos os reeducandos em grupos e cada um teve de montar um quebra-cabeça sobre a prevenção de tuberculose. Aquele que terminou primeiro, ganhou como brinde um jogo de Damas. Nossa intenção real foi mostrar que todos juntos e unidos no combate a tuberculose podemos futuramente erradicar essa doença”, explicou a enfermeira  da Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), Graciane Fábio.

Ainda segundo a profissional, que teve o apoio do técnico de enfermagem Francisco Jadson, no encerramento da atividade foi realizado uma triagem nos pacientes que se encontravam com sintomas.  Os detentos com algum sintoma respiratório, fizeram o exame de “Barr” (baciloscopia). Reeducandos portadores de HIV também puderam fazer o exame, como medida cautelar e preventiva.

“Foi um dia importante para eles. Foi garantido o acesso a um diagnóstico rápido e ao tratamento supervisionado humanizado. Essas ações tornam o problema menos grave entre os locais de cárcere privado.  Eles entendem que há uma equipe médica pronta para consultá-los, medicamentos e o mais importante, que estamos focados em manter a saúde de nossos custodiados”, acrescentou a enfermeira.

O interno Diego Lopes Castro, disse que gostou de participar da atividade porque  – “conhecendo os sintomas, temos mais chances de desconfiar da doença e também de receber a cura, achei que meus colegas também estavam bastante participativos com o quebra-cabeça e na palestra, e isso é bom para que todos possam ficar atentos e cuidar de sua saúde”, falou Diego.

Semana Nacional de Mobilização e Luta Contra a Tuberculose – 24 a 31 de Março –   A tuberculose é uma doença infectocontagiosa que afeta principalmente os pulmões, mas também pode acometer órgãos como ossos, rins e meninges (membranas que envolvem o cérebro). O seu bacilo foi descoberto no dia 24 de março de 1882 pelo médico Robert – daí a campanha acontecer neste mês do ano.

O Brasil ocupa o 18º lugar entre os 22 países responsáveis por 82% do total de casos de tuberculose no mundo. Embora seja uma doença passível de ser prevenida, tratada e curada, ainda mata cerca de 4,4 mil pessoas todos os anos no Brasil. Os casos de tuberculose (TB) na população carcerária representam cerca de 10% dos registros da doença no Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde.

Sinais e sintomas mais frequentes:

– Tosse seca ou com secreção por mais de três semanas, podendo evoluir para tosse com pus ou sangue;

– Cansaço excessivo e prostração;

– Febre baixa geralmente no período da tarde;

– Suor noturno;

– Falta de apetite;

– Emagrecimento acentuado;

– Rouquidão.

Prevenção e tratamento:

A vacina BCG é obrigatória para menores de um ano e protege as crianças contra as formas mais graves da doença. A melhor forma de prevenir a transmissão da doença é fazer o diagnóstico precoce e iniciar o tratamento adequado o mais rápido possível.  

O tratamento, à base de antibióticos, é 100% eficaz e deve ser feito por um período mínimo de 6 meses, diariamente e sem nenhuma interrupção, terminando apenas quando o médico confirmar a cura total do paciente. Para evitar o abandono do tratamento é importante que o paciente seja acompanhado por equipes com médicos, enfermeiros, assistentes sociais e visitadores domiciliares devidamente preparados.

Doze reeducandos da Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), localizado a 270 quilômetros de Manaus, participarão de curso profissionalizante de barbeiro. O curso é realizado pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac-Itacoatiara), por meio do Projeto do Núcleo de Aprendizado Profissional (NAP), da Umanizzare Gestão Prisional, que faz cogestão em seis presídios no Amazonas.

O curso terá carga horária de 40 horas com foco na reintegração dos presos à sociedade, por meio do trabalho, após o cumprimento da pena. A previsão é que as aulas iniciem no dia 1° e seja concluído no dia 11 abril, capacitando os reeducandos para trabalhar profissionalmente em cortes de cabelo masculino e design de barba.

De acordo com a instrutora do curso, Dessana Castro, o conteúdo das aulas levará conhecimento aos alunos, dando a oportunidade de se tornarem empreendedores e cidadãos qualificados para fornecer seus serviços à sociedade, após o cumprimento da pena.

O diretor da Unidade pela Seap, Antônio Enriques, e a assessora de projetos da Umanizzare, Maria Domingas Printes, ressaltam que este é o segundo curso profissionalizante do ano na UPI e que outros estão programados para acontecer ao longo deste ano. O primeiro curso ofertado na unidade foi de limpeza e higienização predial, que também teve a parceria com o Senac.

Seguindo o calendário de atividades do ano, todas as unidades do sistema prisional, masculina, que tem a cogestão da Umanizzare receberão o curso de capacitação em barbearia. Logo após a Unidade de Itacoatiara, será a vez do Instituto Penal Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat) receber a programação.

Detentos e colaboradores da Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI) – localizada a 269 km de Manaus – foram vacinados contra o vírus da gripe H1N1. A ação é parte da Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza e integra o calendário do Ministério da Saúde (MS), que visa imunizar detentos e servidores do sistema prisional.

            Ao todo foram vacinados 123 internos e 30 colaboradores pela equipe técnica da Umanizzare Gestão Prisional, em parceria com a UBS Maria da Paz Rocha Litaiff de Itacoatiara, que disponibilizou as doses.

           “Este ano fizemos questão de realizar uma palestra sobre o que é o H1N1 e a importância da vacinação. Foi gratificante. Apenas dois internos se recusaram a receber a dose e, para garantir, solicitamos que eles passem por exames junto aos nossos médicos”, disse a enfermeira Graciane Fábio, que teve o apoio da equipe de saúde da UPI na atividade.

            Além da vacinação, também foi verificada a situação vacinal e o registro de novos cartões de vacinação e atualização das carteiras dos colaboradores.

            Para o diretor da unidade, Antônio Enriques Cordeiro, a campanha obteve a expectativa esperada, “muito importante pois é um meio de proteção contra doenças altamente contagiosas e perigosas que podem levar a casos graves e até a morte”.

            O reeducando Patrício Garcia, foi um dos primeiros a receber a vacina. “Faço questão de participar de todas as atividades voltadas para minha saúde”, disse ele destacando que a vacina contra a grite protege ainda a família, “que poderá me visitar sem que eu e os meus colegas de confinamento possam passar o vírus para eles”.

Internos e colaboradores da Unidade Prisional de Itacoatiara foram imunizados contra o vírus da gripe. A campanha também será realizada em outras unidades do Amazonas até abril.

Outras Unidades – A campanha de vacinação contra o vírus do H1N1 também será realizada nas unidades do: Complexo Penitenciário Anísio Jobim (COMPAJ); Instituto Penal Antônio Trindade (IPAT); Centro de Detenção Provisória de Manaus (CDPM); Centro de Detenção Provisória de Manaus (CDPM) e no Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF). A previsão é de que os internos e funcionários recebem a vacina até a primeira quinzena de abril. 

H1N1 –  O vírus influenza A H1N1 é transmitido pelo contato com secreções respiratórias, partículas de saliva, tosse ou espirro. De acordo com a OMS, também é possível a transmissão pelo contato com superfícies contaminadas.

           “Os vírus da influenza causam doença respiratória aguda, caracterizada clinicamente por febre alta, calafrios, cefaleia, mal estar, mialgia e tosse seca”, disse o técnico em enfermagem, Francisco Jadson, ressaltando os sintomas.

A Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI) celebrou o Dia Internacional da Mulher com atividades direcionadas às colaboradoras da empresa e famílias dos internos da unidade. Após o cadastramento familiar, esposas, mães e filhas dos internos participaram de uma palestra sobre o “Empoderamento da Mulher”.

A psicóloga, Patrícia Mendes e a assistente social, Ana Maria Bezerra, reforçaram as atividades com sendo importantes no processo de ressocialização dos internos, além das necessidades de se manter a autoestima elevada dos reeducandos.

Além da palestra também foram entregues brindes (sabonetes artesanais), confeccionados pelos próprios internos, com mensagens de agradecimento.

 No Dia Internacional da Mulher as colaboradoras da UPI receberem homenagens durante um café da manhã, que teve ainda entrega de brindes.

O gerente da Unidade, Ivo Murilo, prestou uma homenagem a todas as participantes, onde falou sobre a valorização da mulher:  “A competência levou a mulher a conquistar espaços, ganhar respeito e conquistar mais. Hoje, a mulher está presente em tudo, e essa presença se multiplica em cada sonho alcançado. Parabéns Mulheres”, congratulou o gerente.  

O diretor da Unidade, Antônio Cordeiro, também proferiu algumas palavras, enfatizando que “a equipe UPI é composta por grandes mulheres que abrilhantam a unidade com sua competência e dedicação”, parabenizou o diretor.  

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) apresentou, nesta sexta-feira (22/03), os trabalhos de artesanato confeccionados por internos das unidades prisionais do Amazonas durante o evento em homenagem ao “Dia do Artesão”. O evento foi promovido pela Secretaria de Estado do Trabalho (Setrab) e realizado na Arena Amadeu Teixeira.

O evento faz parte do Programa de Artesanato Amazonense, que reuniu 72 expositores. Os produtos foram confeccionados pelos próprios internos durante os cursos de capacitação, como o projeto Mãos Livres, realizados pela co-gestora Umanizzare Gestão Prisional. Participaram internos do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), Centro de Detenção Provisório Masculino II (CDPM), Centro de Detenção Provisório Feminino (CDPF), Penitenciária Feminina de Manaus (PFM) e da Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI).

Estiveram presentes na exposição, a primeira-dama do Estado do Amazonas, Taiana Lima, além das secretárias Neila Maria Dantas (Setrab) e Viviane Lago, da secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Seped), que conheceram os trabalhos manuais produzidos pelos detentos. Entre os diversos produtos, estavam expostos colares, luminárias, toalhas, camisas e sandálias personalizadas. Para a diretora do Deresc, Keyla Prado, o evento foi uma oportunidade de mostrar as ações que são realizadas dentro das penitenciárias. “São oferecidas oportunidades para que o preso possa começar uma nova vida quando sair do presídio. E o artesanato é uma delas”, afirmou.

Projeto Mãos Livres – O Projeto Mãos Livres, criado pela Umanizzare Gestão Prisional, tem entre suas metas propiciar aos reeducandos um conjunto de trabalhos manuais de natureza terapêutica, com viés de inserção econômica. Além de terem acesso a noções de técnicas modernas de arte, com foco em sustentabilidade e designer, os reeducandos se familiarizam com planos de negócios, proposta de valores, marketing e análise de mercado.