Últimas notícias
Author

Umanizzare Brasil

Browsing

Seguindo à luz da Lei de Execução Penal no 7210/84, foi ofertada aos reeducandos do Instituto Penal Antônio Trindade em 23, 24 e 25 de março uma série de realizações de palestras e exposição de vídeo referente à Covid-19. Foram expostas orientações acerca desse novo coronavírus. 

Com o auxílio de vídeos, os internos puderam entender como é a pandemia, seus sintomas, diagnóstico, prevenção e tratamento. Eles foram orientados a seguir algumas recomendações ao sair das consultas internas (social, jurídico, odontológico, enfermaria e outros), principalmente, a lavar bem as mãos antes de retornarem às celas. 

Depois das orientações, os internos puderam tirar suas dúvidas e o resultado foi alcançado com êxito. O palestrante nesses três dias foi o Antônio Lisboa, com a supervisão da SEAP e o apoio dos agentes de ressocialização cogestora Umanizzare.

No dia 23 de março, os internos da Unidade Prisional de Itacoatiara realizaram ligações aos seus familiares. Por determinação da SEAP, a suspensão das visitas aos presos obedece ao protocolo de ações preventivas à Covid-19, deliberado pelo Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN) e pelo Conselho Nacional de Secretários de Estado e Justiça (CONSEJ).

Diante da confirmação do primeiro caso de coronavírus no estado, a entrada de visitantes externos, sejam familiares, advogados ou defensores públicos, ficou suspensa em todas as penitenciárias do Estado. 

Por esse motivo, observou-se a necessidade de realizar essa ação com o objetivo de amenizar a ansiedade e para que eles tivessem notícias dos seus familiares. A ligação durava cinco minutos e era por viva voz. 

A ação contou com a coordenação do diretor da unidade, Antônio Enrique Cordeiro, o diretor adjunto, Marcel Amorim Borges, e o responsável pelos setores de serviço social e psicologia Jefferson Azevedo, além dos monitores de ressocialização. 

Para o reeducando Ronaldo Rodrigues, é uma satisfação poder ter contato com sua esposa e filha, já que estava se sentindo triste ultimamente. De acordo com a assistente social Ana Maria Bezerra, foi de suma importância esta ação na unidade. Percebeu-se que os reeducandos ficaram menos ansiosos e expressaram satisfação em conseguir falar com algum familiar.

No dia 13 de março, foi realizada uma palestra sobre a Covid-19 para os colaboradores da Penitenciária Feminina de Manaus (PFM). Na ocasião, foram abordadas as informações gerais necessárias sobre o novo coronavírus e como evitar o contágio. 

Além dos colaboradores, é importante que todos se cuidem para prevenir o contágio. Por isso, separamos algumas recomendações:

  1. Lave as mãos com água e sabão 
  2. Use sempre álcool em gel
  3. Cubra o nariz e a boca ao espirrar ou tossir
  4. Evite aglomerações se estiver doente
  5. Mantenha os ambientes bem ventilados
  6. Não compartilhe objetos pessoais

Até o momento não existe tratamento específico para a Covid-19. São apenas realizadas medidas de suporte dos sintomas. Para aqueles que já receberam a confirmação da doença ou em caso de suspeita é necessário ser feito um isolamento.

O momento é de precaução e é necessário todo cuidado possível. Cuidem-se!

Em virtude da prevenção da Covid-19, as visitas ao sistema prisional do Centro de Detenção Provisório Feminino foram suspensas. Essas medidas buscam resguardar as reeducandas do contágio.

Nos dias 23 e 24 de março, a ação foi realizada e foram feitas 82 ligações. Cada uma teve a duração de 5 minutos e serviu para amenizar os impactos emocionais diante da ausência presencial de seus familiares.

Na ressocialização, o papel da família é importante para o fortalecimento
do vínculo familiar. Diante disso, a Secretaria de Administração Penitenciária (SEAP) realizou uma ação para que as internas ligassem para os seus familiares acompanhados pela assistente social da unidade, Patrícia Silva, com o apoio da equipe operacional.

A ação teve um saldo positivo, pontilhada de comoções por parte de familiares e reeducandas que, inclusive, na ligação tiveram oportunidade de falar com os demais parentes que não possuem cadastro

Em parceria com a RHMULTI SERVIÇOS E SEAP, a Penitenciária Feminina de Manaus desenvolveu o curso de jardinagem que foi ministrado pela prestadora de serviços Sônia Reis.   

Durante a aula foram aplicadas teoria e prática com o conceito, histórico, importância do paisagismo, planejamento, execução, manutenção e a recuperação de jardins, praças e parques, além do cultivo de hortaliças e de plantas ornamentais. Na prática, as internas puderam aprender o manejo e a execução de cada etapa. 

Estiveram presentes o diretor da unidade, Paulo Sérgio, a coordenadora de projetos da Umanizzare, Domingas Printes, e a psicóloga Miscilene Lima. No final das atividades, as reeducandas tiveram um lanche com salgados, bolos e refrigerante e também na oportunidade foram entregues os certificados.

Atividades físicas, esportes e treinos funcionais foram ofertados para as reeducadas do Centro de Detenção Provisório Feminino nos dias 11 e 12 de fevereiro. 

Na primeira fase do Projeto Medida Certa, as internas com hipertensão arterial, diabetes e obesidade puderam realizar um treinamento funcional e ginástica laboral, além de jogar vôlei, futebol, xadrez e dominó. Segundo o professor de educação física da unidade Cleverson Cruz, é a partir dessas atividades físicas e recreativas que o convívio social é favorecido e as reeducandas podem mostrar suas habilidades físicas esportivas. 

Para a reeducanda Thais Rejane Barbosa, “está sendo muito importante este projeto, pois me sinto mais disposta durante o dia e é uma forma que temos para passar o tempo. Além disso, é muito divertido quando todas participam e, principalmente, quando o professor coloca música para a gente dançar. De certa forma, isso contribui para a nossa saúde física e mental”, afirma.

A intenção do projeto é sempre manter a satisfação e motivação das participantes mantendo, na medida do possível, uma forma física e uma alimentação dentro da unidade.

A Umanizzare ofereceu ao Centro de Detenção Provisória de Manaus o curso de Bombeiro Hidráulico, com início no dia 4 de fevereiro. Ao todo, 11 reeducandos finalizaram o curso e conseguiram a capacitação técnica. 

O curso, que aconteceu na Escola Estadual Giovanni Figlioulo, contou com a carga horária de 102 horas e foi ministrado pelo instrutor Rildo Mota Cordovil. Foram desenvolvidas habilidades técnicas em instalação e manutenção hidráulica, visando a capacitação eficaz dos serviços nesta modalidade. Assim sendo, o interno ao concluir o curso, está preparado para diagnosticar, reparar, instalar e manter em funcionamento as instalações hidráulicas conforme projetos, normas técnicas e procedimentos específicos. 

Destaca-se ainda que, além da qualificação profissional, a empresa oferece a oportunidade de desenvolvimento nos trabalhos voluntários da unidade, para uma possível remição de pena dos participantes que obtiveram melhor desempenho no curso. 

Os certificados foram entregues no dia 6 de março pelos diretores e convidados, os quais parabenizaram os formandos pelo desempenho e dedicação. No final do evento, o reeducando Mateus dos Santos Ribeiro fechou a cerimônia com a seguinte fala: “Esse curso mudou os meus pensamentos, vou abraçar essa oportunidade para minha vida lá fora”.

Na primeira semana de março iniciou-se a Semana da Mulher Privada de Liberdade, um evento com programação realizada no Centro de Detenção Provisória Feminino. Na ocasião, estiveram presentes 81 reeducandas. 

A programação contou com palestras psicoeducativas administradas pela psicóloga Ana Paula Pereira e a Assistente Social Patrícia da Silva. Foi proporcionado um momento de aprendizado, bem como informações sobre a data comemorativa e sobre conquistas femininas ao longo dos últimos séculos. Após a palestra, foi realizada uma homenagem com vídeos de reflexões e valores que cada mulher possui, seja no âmbito profissional/familiar e enaltecendo as qualidades e o crescimento de cada uma.  

Houve também a participação do Supervisor Anézio Batista, realizando uma homenagem com palavras de motivação e reflexões a respeito do dia a dia dentro da unidade prisional. Ao final, foi proporcionado um momento musical com o canto de músicas cristãs. As internas agradeceram o momento, participando da atividade, tendo sido oferecido o espaço para quem quisesse a oportunidade de cantar. 

O educador físico Cleverson Guimarães realizou gincanas competitivas entre as reeducandas, que participaram ativamente da atividade. Além de proporcionar um momento de recreação, reforçando a importância de realizar atividades físicas dentro do sistema prisional, as ganhadoras da gincana receberam brindes como premiações. A cabeleireira Karla Alexandra Nogueira também participou do evento fazendo corte de cabelo, esmaltação, escova e penteados. As atividades tiveram encerramento no dia 10 de março, com uma dinâmica com sorteios de brindes e coffee break.

O Centro de Detenção Provisório Feminino (CDPF) realizou, no dia 11 de fevereiro, no Pavilhão 2, o Projeto Espaço Terapêutico – Grupo Operativo. O objetivo principal é promover um processo de aprendizagem coletiva, trocas de experiências e opiniões de cada participante. 

Aprender em grupo significa uma leitura crítica da realidade, uma atitude investigadora, uma abertura para as dúvidas e para as novas inquietações. É neste contexto que o sujeito interage construindo-se socialmente e, ao mesmo tempo em que se constrói, participa ativamente da construção pessoal. 

A atividade, que foi desenvolvida pela psicóloga Ana Paula Nogueira Pereira, teve como tema “Trabalhando a Autoestima”. Foi realizada uma técnica de psicoeducação para informatizar os contextos que envolvem autoestima, exemplificando formas de alcançar novas perspectivas e fortalecer a valorização da mulher. Além disso, foram trabalhadas dicas para serem adotadas no dia a dia com o intuito de elevar o amor-próprio. Todas as envolvidas obtiveram participação satisfatória e demonstraram interesse em dar continuidade ao trabalho nos próximos encontros. Estiveram presentes 16 reeducandas.

No decorrer do mês de fevereiro, o Centro de Detenção Provisória Feminina e a Penitenciária Feminina de Manaus receberam o curso de flauta doce pelo Projeto Harmonizar, criado para estimular as reeducandas por meio de linguagem artístico-musical.

As aulas teóricas começaram a ser ministradas em janeiro e no dia 20 de janeiro tiveram início as práticas. As internas realizaram exercícios rítmicos em compassos simples e solfejo rítmico com figuras até colcheia, além disso também fizeram um ditado rítmico com as figuras estudadas nas aulas anteriores. O que antes era um desafio, começa a ter um excelente resultado. No segundo encontro, 14 de fevereiro, elas começaram a identificar o local exato de cada som e como encontrar esses sons na flauta doce. Já no dia 28 do mesmo mês, elas tiveram enfim o contato com o instrumento. Após aprenderem a maneira de executar as notas e relacioná-las com a teoria, todas as alunas puderam tocar.

Ao som de Asa Branca, a reeducanda Osiane ficou bastante entusiasmada e falou o quanto estava nervosa, pois não sabia se iria conseguir um dia aprender a tocar um instrumento ou até mesmo ter o contato com um. Já Vera, interna também da CDPF já solicitou que na próxima aula tenha uma música mais difícil para tocar. “Essa é a minha menor turma, então consigo dar uma atenção maior para as aulas e elas também se mostram bem interessadas e participativas, o que torna a aula muito gratificante”, afirmou André Luiz Carvalho, professor do Centro de Detenção Provisória Feminina.