Últimas notícias
Author

Umanizzare Brasil

Browsing

Trinta e sete reeducandos da Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI) passaram por avaliação escrita do projeto Remição pela leitura, entre os dias 26 e 27 de novembro. A prova consistia em elaborar uma resenha crítica sobre a obra lida pelos internos, obedecendo os critérios do relatório de leitura (estética, limitação ao tema e fidedignidade da resenha).

O Projeto tem como proposta tornar mais brando o processo penal, assegurando o direito ao conhecimento, à educação e à cultura, proporcionados pela leitura e interpretação da obra. Além de buscar a potencialização dos valores humanos dos internos, a atividade é também uma forma de crescimento intelectual, gera a diminuição do sentimento de exclusão da sociedade e evita a ociosidade no ambiente penitenciário.

Além disso, o projeto visa diminuir a pena dos internos participantes através da leitura de obras, por isso as avaliações. A cada livro lido e avaliado, poderão ser diminuídos 4 dias da pena, limitando ao máximo a leitura de 12 livros ao ano, conforme a Recomendação nº 44, do CNJ.

De acordo com a professora do Projeto Bambu, Gracimar de Souza Pereira, convidada pela unidade para participar da elaboração e avaliação da resenha, o projeto favorece o aprendizado, aprimora o vocabulário, o raciocínio e a escrita. 

As resenhas serão avaliadas pelos acadêmicos do curso de direito da Universidade do Estado do Amazonas – UEA e as notas divulgadas na primeira quinzena de dezembro.

Para alertar as reeducandas do Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF) sobre os perigos do uso incorreto de medicamentos, a Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz cogestão em cinco penitenciárias da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), realizou no começo desta semana uma palestra sobre o tema automedicação. 

Durante a atividade que contou com a participação de 10 internas, o enfermeiro da unidade, Anderson Viana Pompeu de Campos, ressaltou que cabe ao médico diagnosticar doenças, identificar sintomas e, a partir disso, indicar qual o melhor medicamento e a dosagem correta para que você fique bem. Automedicar-se traz riscos à saúde, pois a ingestão de substâncias de forma inadequada pode causar reações como dependência, intoxicação e até a morte. A receita médica é a garantia de que houve uma avaliação profissional para que determinado paciente utilize o medicamento

“A automedicação, muitas vezes vista como uma solução para o alívio imediato de alguns sintomas pode trazer consequências mais graves do que se imagina. Se o remédio for antibiótico, a atenção deve ser sempre redobrada, pois o uso abusivo destes produtos pode facilitar o aumento da resistência de microorganismos, o que compromete a eficácia dos tratamentos”, disse o profissional. 

Outra preocupação em relação ao uso do remédio refere-se à combinação inadequada. Neste caso, o uso de um medicamento pode anular ou potencializar o efeito do outro, acrescentou o enfermeiro junto às detentas. 

Analgésicos, anti-inflamatórios e antibióticos são os tipos de medicamentos mais associados a casos de automedicação.

“A vida dentro do cárcere pode contribuir para que os apenados peçam junto aos familiares alguns medicamentos, é importante dizer que temos farmácia e profissionais dentro de todas as unidades da Umanizzare à disposição para tirar dúvidas e fazer o encaminhamento correto do que usar, após consulta com médico”, finalizou o professor de educação física, Cleverson Guimarães, que também participou da orientação. 

A Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), distante 176 quilômetros de Manaus, está participando da 2ª Amostra de Artesanato, com produtos confeccionados por Pessoas Privadas de Liberdade (PPL), na sede do fórum de Justiça no município. A exposição encerra nesta sexta-feira (13) e conta com o apoio do Poder Judiciário e do Ministério Público do Estado (MPE).

Aberta ao público, a amostra acontece das 8h às 14h, e tem como finalidade exibir os produtos feitos manualmente por 25 internos, entre homens e mulheres, que participaram dos cursos “Artesanato em Vime” e “Costurando a Liberdade”. As atividades foram oferecidas pela Umanizzare Gestão Prisional, empresa cogestora de cinco presídios da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap). 

Sabonetes caseiros, cestos feitos de vime, tapetes de crochê e almofadas de tamanhos e cores variadas são alguns dos produtos expostos na amostra.

O diretor da unidade, Antônio Cordeiro, diz que a atividade é como uma terapia ocupacional para os internos e que eventos como esse contribuem para a ressocialização deles. “É interessante para a população de fora ver que os reeducandos têm condições de produzir coisas boas no mundo”, finaliza.

Remição da pena – Os apenados que participaram dos cursos artesanais recebem o direito à remição de um dia da pena a cada 12 horas de frequência escolar, conforme o artigo 126 da Lei de Execuções Penais (LEP).

Cinquenta e três reeducandos do Instituto Penal Antônio Trindade (IPAT) participaram nesta semana da 7ª Edição do Projeto Remição Pela Leitura do ano de 2019 – destes, 50 estiveram presentes em todas as etapas do processo do programa – que visa reduzir a pena dos internos utilizando obras literárias. 

O programa foi criado em 2016 pela Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz a cogestão de cinco presídios da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), e é recomendado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e previsto na Lei de Execução Penal (LEP),

A primeira etapa desta edição do Projeto Remição Pela Leitura ocorreu em duas etapas:  a primeira com a entrega dos livros escolhidos pelo próprio reeducando e a segunda e última com a aplicação da prova escrita. 

Nas unidades operacionalizadas pela Umanizzare, existe um calendário regular de aplicação das avaliações escrita e oral que contam com convidados de outras instituições para compor a banca avaliadora, juntamente com as equipes técnicas. Além de reduzir a pena, o projeto tem sido fundamental para a mudança de comportamento dos reeducandos.

“Na verdade, o projeto possui o intuito de incentivar a leitura, interpretação e construção de textos, além de enriquecer o vocabulário e aprimorar a escrita, a remição de pena é uma consequência de quem se empenhou durante a atividade”, diz a coordenadora de projetos, Maria Domingas Printes.

Incentivo – A leitura é um instrumento de aprendizado, e desenvolvimento das potencialidades intrínsecas ao ser humano, além de desenvolver boas relações interpessoais.  O reeducando Darlysson Mendes Moraes destacou a importância do projeto: “me ajuda a aliviar a mente e a me distrair no dia-a-dia”, disse. Já o reeducando Darlan Freitas Oliveira afirma que a Remição pela Leitura ajuda em vários sentidos, como: saber, mudança e aprendizado.

O setor de psicologia do Instituto Penal Antônio Trindade (IPAT) promoveu no dia 22 de novembro palestra sobre o tema: Ansiedade. 

A ansiedade pode ser considerada a doença do século e o intuito da palestra promovida pela Umanizzare Gestão Prisional é o de alertar sobre as formas de combater a ansiedade, através da atividade física, leitura, boas relações e fortalecimento dos vínculos familiares.

A atividade aconteceu no Núcleo de aprendizagem Profissional – NAP, com a presença de 16 reeducandos que ouviram atentamente as informações acerca do tema proposto. 

“Esses reeducandos serão multiplicadores de informações para outros”, disse o psicólogo Igo Felipe Almeida.

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) doou, nesta terça-feira (10), 150 pares de chinelos para alunos da Escola Estadual Diofanto Vieira Monteiro, localizada na avenida Lourenço da Silva Braga, s/n°, Centro. A ação foi uma parceria com a empresa de cogestão Umanizzare Gestão Prisional, responsável pela primeira fábrica de chinelos do sistema prisional, inaugurada em outubro desse ano, no Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), localizado no Km 08 da BR-174 (Manaus-Boa Vista). Os chinelos doados foram fabricados por mão de obra carcerária de quatro reeducandos da unidade, integrantes do projeto de ressocialização “Trabalhando a Liberdade”.

Essa é a segunda vez que a escola de educação especial é beneficiada com os serviços prestados por reeducandos do projeto. A primeira foi no mês anterior, quando foram realizados serviços de manutenção na unidade de ensino, como limpeza de aparelhos de ar-condicionados, roçagem, podagem de árvores e outros.

Na ocasião, a diretora da escola, Maria Walterlice Oliveira, agradeceu por toda a ajuda recebida. “Todas essas demandas que temos recebido foram muito importantes para o funcionamento da escola e está nos ajudando muito”, disse. “Agora, com a doação dos chinelos, nossos alunos poderão trabalhar a parte da customização dentro das oficinas pedagógicas que oferecemos na escola”.

O titular da Seap, coronel Vinícius Almeida, destacou o impacto das ações desenvolvidas no local para os reeducandos. “Nessa escola, eles têm a possibilidade de identificar como os alunos especiais, com todas as suas dificuldades e limitações, lutam para serem melhores a cada dia. Assim, conseguem sentir a necessidade de mudança na vida deles também”, avaliou.

Remição da pena – O projeto “Trabalhando a Liberdade” foi criado em janeiro deste ano, e tem como objetivo a ressocialização dos apenados por meio do trabalho não remunerado, além da possibilidade de remição da pena, prevista na Lei de Execução Penal (LEP).

Internos da Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI) receberam nesta semana novos treinamentos para atuarem como “Agentes Promotores de Saúde” (APS). Os cursos desta vez foram referentes a sensibilidade dentária:  doenças gengivais e suas consequências na saúde bucal e na área da enfermagem: prevenção e diagnóstico precoce do câncer de Próstata. O conhecimento foi ministrado pelos profissionais de saúde do estabelecimento. 

A dentista da UPI, Jucenilda Oliveira, ressalta que o papel dos APS´s é exclusivamente de apoio à equipe de saúde, tendo em vista que são exatamente estas pessoas que vivenciam as dificuldades e necessidades dos colegas de confinamento. 

“Além disso, cursos capacitam o reeducando para que, após o cumprimento de sua pena, ele possa ter maiores chances de desenvolver-se no mercado de trabalho, e, consequentemente, diminuir a reincidência ao crime”, acrescenta a profissional. 

O reeducando Cristiano Pinto falou sobre as expectativas e os desafios que terá junto aos colegas de confinamento após a capacitação: “é muito importante aprendermos nesse projeto sobre a saúde do homem, pois a gente leva essas orientações para os colegas de cela, orientando sobre a importância de vencer o preconceito e cuidarem de sua saúde.

Agente Promotor de Saúde – A figura do Agente Promotor de Saúde contribui com a promoção, prevenção e melhoria no atendimento curativo, auxiliando no processo de ressocialização e reinserção social dos participantes.

Remição de Pena – Além de se tornarem braço direito dos profissionais da saúde dentro dos presídios, os reeducados capacitados, podem ser beneficiados com a concessão da remição de pena; para cada três dias de trabalho, um dia a menos no presídio.

Plano Nacional de Saúde – O Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário foi instituído através da Portaria Interministerial n°1777/2003 e introduziu a pessoa do Agente Promotor de Saúde dentro do Sistema Prisional como um equivalente ao Agente Comunitário de Saúde para atuar na Unidade Prisional, conscientizando e orientando os reeducandos quanto às principais doenças que acometem esta população.

A Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz cogestão em cinco unidades da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) promoveu na primeira semana de dezembro, no pátio do pavilhão A do Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), localizado no km 08 da BR-174 (Manaus-Boa Vista) palestra e atividade física com o tema:  “Medida Certa: Vida Saudável”, para reeducandos acima de 46 anos de idade.

Nove internos participaram da atividade, cuja finalidade foi motivar e orientar o custodiado a praticar atividade física, mesmo em um espaço pequeno. Após a palestra eles participaram de atividades de ginástica laboral, corrida e caminhada fracionada e futsal adaptado.

“O esporte proporciona uma qualidade de vida, ameniza a ociosidade e o sedentarismo dentro da rotina carcerária”, disse a coordenadora de projetos da Umanizzare, Maria Domingas Printes.

O objetivo da atividade é conscientizar através da prática física uma boa qualidade de vida e ressocialização, proporcionando benefício para o corpo e mente

Segundo o reeducando Wendel Mar e Souza praticar exercício físico renova as forças e ocupa a mente.

“Herpes Labial” foi tema de palestra promovida nesta semana, pela Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (Seap) e a Umanizzare Gestão Prisional, por meio do projeto de saúde bucal “Prevenir Para Sorrir, para as reeducandas do Centro de Detenção Provisório Feminino (CDPF). 

De acordo com a dentista, Simone Negreiros, a ação tem como finalidade levar ao conhecimentos das internas algumas patologias que acometem a cavidade oral como a Herpes –  uma infecção viral e contagiosa nos lábios, bocas e gengivas e que não há cura, porém quando tratada corretamente o paciente pode viver sem complicações.

Ela também destacou durante a palestra, que muitas das doenças da boca estão relacionadas diretamente com o fumo, o consumo de álcool e a má alimentação.

Trinta e seis custodiadas participaram da atividade e foram orientadas também quanto a não compartilhar objetos pessoais para minimizar o risco de disseminação. Houve uma dinâmica de perguntas e respostas com sorteios de brindes para a equipe vencedora.

De acordo com a assistente social, Graciete Guedes de Oliveira, que também contribuiu para com a atividade, é necessário que as reeducandas entendam o significado da ação proposta para que possam identificar qualquer anormalidade e assim procurar um cirurgião – dentista ou médico, para o tratamento de qualquer patologia bucal.

“Não só para tratar, na verdade queremos que elas saibam que possuem toda uma assistência de saúde aqui dentro em caráter curativo e preventivo”, ressaltou a assistente social.

A cada ano, novos casos de tuberculose são diagnosticados no Brasil. O risco de adoecimento é ainda maior em alguns grupos populacionais com maior vulnerabilidade devido às condições de saúde e de vida a que estão expostos, como as pessoas privadas de liberdade. Em 2018, foram registrados 69 mil casos novos de tuberculose no país. Do total, 10,5% ocorreram na população privada de liberdade, sendo o risco de infecção 28 vezes maior que na população em geral.

Com objetivo de ampliar e reproduzir campanhas de educação em saúde para a comunidade carcerária, a Umanizzare Gestão Prisional, responsável por cinco presídios da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), realizou nesta semana uma série de palestras sobre o combate à tuberculose.

Com o tema: “Diga Não à Tuberculose” a primeira unidade a receber informações sensibilizando os reeducandos quanto ao diagnóstico precoce e tratamento oportuno relacionados à doença, foi a Unidade Prisional de Itacoatira (UPI). 

“Com ações de educação em saúde, buscamos chamar a atenção não só dos internos, mais de 50 internos que participaram da palestra, mas de toda comunidade carcerária que além das pessoas privadas de liberdade, inclui familiares, profissionais de saúde e segurança”, diz a enfermeira da UPI, Graciane Fábio. 

Ao final da exposição, foi realizado uma triagem dos pacientes com supervisão humanizada em todos que apresentavam os  sintomas elucidados pela enfermeira durante a palestra: tosse persistente (por mais de duas semanas), que pode apresentar-se com sangue ou escarro; febre; sudorese noturna; perda de peso; dores no peito e fadiga. Não foi identificado nenhum interno com a doença. 

Outras unidades: Todas as unidades prisionais cogeridas pela Umanizzare passaram pela palestra, em alusão ao dia 17 de novembro marcado como o Dia Nacional de Combate à Tuberculose. 

Tuberculose – A tuberculose é a doença infecciosa mais mortal no mundo. A cada ano, cerca de 1,7 milhão de pessoas morrem, enquanto outros 9,6 milhões sofrem com a doença, principalmente em países em desenvolvimento.

A doença é causada por uma bactéria (Mycobacterium Tuberculosis) que afeta com mais frequência os pulmões, mas pode infectar qualquer parte do corpo, incluindo os ossos e o sistema nervoso. A bactéria se espalha pelo ar quando pessoas infectadas tossem, falam, cospem ou espirram. 

A falta de informação sobre a doença ainda é grande, o que alimenta  o medo e o preconceito em relação à doença.