Últimas notícias
Tag

Slider

Browsing

Nesta semana a Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz cogestão em cinco presídios do Estado deu início, na sala do Núcleo de Aprendizado Profissional (NAP) do Instituto Penal Antônio Trindade (IPAT), o curso de eletricista predial, com o objetivo de promover a qualificação profissional para 15 internos matriculados nesta edição. 

O curso tem carga horária de 160 horas. As aulas teóricas e práticas são ministradas pelo professor de elétrica Jones Barreto. No conteúdo programático teórico os alunos receberam orientação sobre circuitos elétricos, condutores elétricos, condutor neutro, condutor de proteção, montagem de quadros elétricos de distribuição e noções de instrumentos de medidas elétricas.

Três reeducandos da Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), localizada a 269 km de Manaus, que já trabalham como Agentes Promotores de Saúde, dentro da unidade, estão recebendo novas qualificações profissionais para dar continuidade aos trabalhos de promoção à saúde junto aos demais colegas de confinamento. O curso é promovido pela Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz a cogestão de cinco unidades da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap).

Desta vez, os internos estão aprendendo técnicas para estarem aptos a tirar dúvidas e apontar os riscos sobre automedicação e sobre câncer da boca. Os agentes que se qualificam e atuam na promoção a saúde dentro dos presídios, recebem o benefício de remição de pena, a Juízo da Vara de Execução Penal.

“Esse projeto é importante para o nosso aprendizado e para orientar nossos amigos, além de nos capacitar para o mercado de trabalho” diz o reeducando Elijonison da Mota Torres.

Portaria –  De acordo com a Portaria Interministerial nº 1.777, de 09 de setembro de 2003, institui o Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário a figura do Agente Promotor de Saúde dentro do Sistema Prisional que equivale ao Agente Comunitário de Saúde, a fim de atuarem junto à População Carcerária orientando a outros reeducandos e informando sobre as principais doenças que atingem a população penitenciária e colaborando na identificação de padrões para posterior encaminhamento ao Setor de Saúde das unidades atendidas.

O curso foi de depilação e design de sobrancelha, oferecido pelo Projeto Lisbela 

Onze reeducandas do Centro de Detenção Provisório Feminina (CDPF), localizado no km 08 da BR-174 (Manaus-Boa Vista), receberam nesta semana a primeira certificação profissional de 2020 –  Curso de Depilação e Design de Sobrancelha, ofertado às internas por meio do Projeto Lisbela, cuja finalidade é promover a qualificação profissional na área de estética e imagem pessoal.

A capacitação é promovida pela Umanizzare Gestão Prisional e a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap). O curso tem duração de duas semanas, e as aulas serão realizadas de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h, totalizando uma carga horária de 60 horas.

Segundo a instrutora Karla Alexandra Nogueira, o curso está dividido em duas etapas. Na primeira, serão abordadas as técnicas iniciais para sobrancelha simples, design e pigmentação com henna. No segundo momento, o grupo irá trabalhar com depilação básica para buço, perna inferior e superior. “É um curso profissionalizante voltado para o público iniciante. As reeducandas qualificadas para atuarem no mercado profissional, após o cumprimento da pena”, disse ela.

Com o Projeto Lisbela, a Umanizzare também tem alcançado objetivos, como a redução da pena por meio de cursos profissionalizantes, com aprendizagem das técnicas de corte, lavagem, escova e pintura de cabelo em aulas práticas e teóricas.

“Além de atender a comunidade carcerária feminina em suas necessidades e vaidades, elevando-lhe a autoestima, o Lisbela tem como objetivo valorizar as internas mães, com idade entre 18 e 41 anos, sem perspectiva profissional e com expectativa de trabalho”, comentou a gerente de projetos Maria Domingas Printes.

A interna Gabriele Ferreira de Castro disse que este é o terceiro curso de capacitação que participa dentro da unidade prisional. Ela faz planos de exercer a profissão quando deixar o cárcere. “Quero aprofundar o conhecimento nessa área, como design de sobrancelha, corte de cabelo, escova e maquiagem. É um ramo muito bom não só para fazermos em nós, como nas outras pessoas”, afirmou.

Remição da pena – O curso profissionalizante conta como remição da pena pelo estudo, previsto na Lei de Execução Penal (LEP), que estabelece a redução de um dia da pena a cada 12 horas de estudo.

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) encerrou nesta terça-feira (07) o primeiro curso de Conservação e Limpeza para internos do Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), localizado no Km 08 da BR-174 (Manaus-Boa Vista). As aulas tiveram início no último dia 23.

O curso teve a participação de 19 internos, e foi dividido em dois horários: pela manhã, das 8h às 11h, e à tarde, das 13h às 15h, totalizando uma carga horária de 60 horas.

Durante o curso de capacitação, os apenados adquiriram conhecimentos sobre os tipos e áreas de limpeza, elaboração do plano de trabalho e a utilização de produtos para o desenvolvimento da atividade. Eles aprenderam ainda sobre a importância do uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), bem como conheceram técnicas de coleta seletiva e manuseio de máquinas.

De acordo com o diretor da unidade, Erivan Miller, existe a possibilidade de os internos realizarem atividades extramuros. “Nossa unidade participa das reformas das delegacias de Manaus, onde os reeducandos colocam em prática o que aprenderam. Fora outras demandas dentro da unidade”, declarou.

Parceria – O curso foi mais uma parceria com a empresa cogestora Umanizzare Gestão Prisional, por meio do projeto Núcleo de Aprendizado Profissional (NAP), que visa a ressocialização dos internos por intermédio do trabalho não remunerado.

Remição de pena – Os participantes do curso terão direito a diminuir um dia da pena a cada três dias de trabalho não remunerado, conforme prevê a Lei de Execução Penal (LEP).

O projeto está em sua 20ª Edição e conquista cada vez mais internos, por oferecer remição de pena e acesso à cultura e à educação.

Vinte e seis reeducandos do Centro de Detenção Provisória de Manaus (CDPM) foram avaliados, durante esta semana, pelo projeto Remição pela Leitura – por meio de provas de interpretação (oral) e da elaboração de uma resenha crítica da obra lida.

Em sua 20ª Edição para os reeducandos da Unidade, o projeto tem como objetivo estimular o empoderamento, desenvolver as potencialidades de crescimento pessoal e intelectual na reinserção social, minimizando pensamentos de negatividade gerada pela situação de cárcere.

O projeto é realizado pela Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz cogestão de cinco presídios da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap). Além de reduzir a pena dos aprovados, o projeto tem sido fundamental para a mudança de comportamento dos reeducandos.

Os livros escolhidos para a execução do projeto são constituídos de conteúdos voltados para as áreas de superação pessoal, laços familiares, romance, ficção e literatura brasileira.

As provas serão realizadas na sala do Núcleo de Aprendizagem Profissional (NAP) e terá a cooperação dos profissionais da área técnica da empresa para compor a banca de avaliação.

De acordo com a gerente técnica da Umanizzare, Sheryde Karoline, o objetivo da avaliação oral é observar a explanação, o domínio dos participantes quanto ao que entenderam do livro escolhido. Já a prova escrita consiste em produzir uma resenha crítica do livro, de forma coesa e coerente, respeitando as pontuações e principalmente a ideia do autor do livro.

“Hoje o Remição pela Leitura é uma referência em educação dentro do sistema prisional. Além de buscar a potencialização dos valores humanos dos internos, a atividade é também uma forma de crescimento intelectual, gera a diminuição do sentimento de exclusão da sociedade e evita a ociosidade no ambiente penitenciário”, diz Sheryde Karoline.

O projeto Medida Certa foi desenvolvido pela Umanizzare para motivar o interno a fazer exercícios físicos, evitando o sedentarismo dentro da rotina carcerária 

A Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz cogestão em cinco unidades da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) promoveu nesta semana, no pátio do pavilhão A do Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), palestra e atividade física por meio do projeto Medida Certa, para reeducandos acima de 45 anos de idade e com alguma patologia. 

Dez internos participaram da atividade, cuja finalidade é motivar e orientar o custodiado a praticar atividade física, mesmo em um espaço pequeno. Após a palestra eles participaram de atividades de ginástica laboral, corrida e caminhada fracionada e futsal adaptado.

Segundo o professor de educação física da unidade, Elres Barbosa, o esporte proporciona uma qualidade de vida, ameniza a ociosidade e o sedentarismo dentro da rotina carcerária. Ainda segundo ele, com o projeto é possível orientar e fazer acompanhamento e conscientização dos participantes.

“Além disso, através da prática física o reeducando irá adquirir uma boa qualidade de vida e ressocialização, melhorando corpo e mente, pois fortalece os ossos, músculos e dilata os vasos sanguíneos para uma melhor circulação sanguínea”, diz o professor.

Familiares dos reeducandos do Centro de Detenção Provisória Masculino de Manaus – CDPM I – foram surpreendidos pelos colaboradores da Umanizzare com doces, brinquedos para as crianças, brincadeiras e palestras, ao chegarem na unidade para as visitas de final de ano. 

As atividades foram desenvolvidas nos dias 28 e 29 de dezembro e contemplou aproximadamente 500 visitantes.  No sábado (28) a unidade recebeu 239 pessoas, 29 delas crianças – filhos de internos dos pavilhões 1, 2, 4, 5. 

No domingo (29) foi a vez de 249 visitantes – sendo 53 crianças – receberem a atenção e também guloseimas e brinquedos dos colaboradores da Umanizzare que estão com os parentes cumprindo pena nos pavilhões 2 (celas 215-227) e 3, além do anexo e enfermaria. 

As atividades foram realizadas no salão externo da unidade e teve como finalidade fortalecer os laços familiares e interação social, através de palestras motivacionais – buscando a autoestima dos familiares e também dos apenados, que durante a semana fizeram as lembrancinhas e os enfeites que harmonizaram o espaço festivo destinado a seus entes queridos, por meio do projeto Mãos Livres. 

“Não poderíamos deixar de festejar o nascimento de Jesus Cristo. É uma tradição que precisa ser mantida, uma vez que alegra os visitantes e os reeducandos”, disse a psicóloga Lilian Batista dos Santos. 

Ao final da visita os familiares também levaram para casa um cartão com a seguinte mensagem: 

“Que neste Natal as bênçãos de Deus caiam sobre toda a sua família! Que neste dia tão feliz e cheio de ternura, os laços familiares e das amizades fiquem mais apertados! FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO!” São os votos da família Umanizzare Gestão Prisional. Juntos somos mais fortes!”.

Vinte e seis crianças participaram das atividades do Projeto “O Pequenino” entre os dias 29 e 30 dezembro, na Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI). O projeto é realizado pela Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz a cogestão de cinco presídios da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) e tem como finalidade ocupar o tempo das crianças que comparecem na unidade prisional, no dia da visita, no fim de semana – com atividades lúdicas para que as crianças tenham a oportunidade de aprender brincando, se distrair e amenizar as tensões geradas no ambiente carcerário. 

Foi disponibilizado livros infantis, lápis de cor, tintas guache, palitos de picolé e desenhos para colorir.

Ana Maria Bezerra acompanhou os reeducandos Elijonison da Mota Torres e Rosimar Moraes Barros que receberam orientações de como desenvolver as atividades lúdicas com as crianças.

“Os monitores (reeducandos) são treinados para desenvolver as atividades lúdicas junto às crianças, sempre supervisionados por nossa equipe. As mães já os conhecem e confiam em nosso trabalho, tanto que quando deixam a unidade agradecem e dizem que as crianças nem percebem que estavam dentro de um presídio, diz a assistente social da UPI, Ana Maria Bezerra. 

O Pequenino –  O projeto o Pequenino foi desenvolvido pela Umanizzare em 2015, com o objetivo de tornar menos traumática a visita das crianças a seus pais no ambiente prisional, nas unidades cogeridas pela empresa.

O Pequenino atende ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Um ambiente foi especialmente preparado nas unidades para acolher as crianças que acompanham seus parentes nos dias de cadastro e de visitas. No lugar da tensão, a segurança emocional e o fortalecimento do vínculo familiar.

Com esta ação, a equipe Umanizzare reduz o tempo de espera das crianças e ainda otimiza o tempo de cadastro dos familiares. Com as crianças distraídas e imersas num ambiente com ações lúdicas e pedagógicas, maridos e esposas ganham em tempo e também em qualidade da visita, abrindo oportunidades para melhorar os laços afetivos. O projeto é bastante elogiado pelos familiares, que antes temiam a presença dos filhos nos presídios.

Detentos da Enfermaria Psiquiátrica do Centro de Detenção Provisória de Manaus (CDPM) assistiram no dia 20 e 27 de dezembro os filmes ““Vingadores Ultimato” e “Deadpool 2”, por meio do projeto Cine Cultura, desenvolvido pela Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz a cogestão de cinco presídios do Amazonas.  

Os filmes contam a histórias de heróis com particularidades distintas – mas todos com o único objetivo de salvar o mundo e torná-lo melhor. 

Vinte e cinco internos participaram das sessões que teve também pipoca e suco de uva servidos durante a realização do projeto.  

O projeto Cine Cultura tem como objetivo estimular a reflexão dos internos, após cada sessão exibida. De acordo com a psicóloga, Neiva de Souza Mar, responsável pela Enfermaria Psiquiátrica do anexo do CDPM, o filme foi selecionado por mostrar a briga entre o bem e o mal e que, com tolerância e amor, os obstáculos podem ser superados com mais facilidade.

“Mesmo com as diferenças individuais e os conflitos internos de cada um, queremos levar a mensagem ao exibir este filme para os reeducandos, de que com amor e tolerância é possível superar os obstáculos, os medos do isolamento, reforçando inclusive a importância da relação deles com a família”, afirma a psicóloga.

Ainda segundo ela, durante a realização do Cine Cultura, foi observado que os internos interagem entre si, fazendo comentários, projetando ou antecipando ações no filme de forma descontraída e amigável, gerando um clima de harmonia.

Projeto – O “Cine Cultura” foi idealizado pela Umanizzare e é uma atividade realizada semanalmente, todas às sextas-feiras. As produções, de estilos variados, acompanhadas pela tradicional pipoca e suco de uva são selecionadas pela equipe técnica de acordo com o tema a ser abordado e buscam trabalhar os conflitos ou educar e orientar ludicamente. Após o filme, é aberto um espaço para que os reeducandos possam expressar o que sentiram e debaterem sobre o que aprenderam.

A comemoração do Natal já faz parte da realidade das unidades prisionais do Amazonas cogeridas pela Umanizzare Gestão Prisional.  Entre os dias 28 e 29 de dezembro foi realizado no Centro de Detenção Provisório Feminino – CDPF, localizado no quilômetro 8 da BR-174, em Manaus, uma confraternização de Natal voltada para os familiares das internas. 

Trinta e quatro pessoas, entre crianças e adultos, foram recepcionados pelos colaboradores da empresa e antes das visitas participaram de atividades com rodas de conversas com a finalidade de levar momentos de reflexão sobre o verdadeiro significado do Natal – o nascimento de Jesus – e um dia de diversão, com entregas de brinquedos e lanches aos participantes. 

Mãos Livres – Todo o salão utilizado para recepcionar os familiares foi decorado com enfeites fabricados pelas presas do CDPF que passaram pelo curso profissionalizante de artesanato, por meio do projeto Mãos Livres. 

O curso faz parte do Projeto Mãos Livres, que tem entre suas metas propiciar aos reeducandos (as) um conjunto de trabalhos manuais de natureza terapêutica, com viés de inserção econômica – desenvolvido pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a cogestora, Umanizzare.

“Ao acolher os familiares reforçamos junto a eles o quanto são importantes nesse processo de ressocialização e da necessidade de transmitir ao familiar que está privado de liberdade o quanto ele é amado e esperado – longe da marginalidade”, disse a coordenadora de projetos, Maria Domingas Printes.