CDPM

Projeto cine cultura exibe: “Vingadores Ultimato” e “Deadpool 2”

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

Detentos da Enfermaria Psiquiátrica do Centro de Detenção Provisória de Manaus (CDPM) assistiram no dia 20 e 27 de dezembro os filmes ““Vingadores Ultimato” e “Deadpool 2”, por meio do projeto Cine Cultura, desenvolvido pela Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz a cogestão de cinco presídios do Amazonas.  

Os filmes contam a histórias de heróis com particularidades distintas – mas todos com o único objetivo de salvar o mundo e torná-lo melhor. 

Vinte e cinco internos participaram das sessões que teve também pipoca e suco de uva servidos durante a realização do projeto.  

O projeto Cine Cultura tem como objetivo estimular a reflexão dos internos, após cada sessão exibida. De acordo com a psicóloga, Neiva de Souza Mar, responsável pela Enfermaria Psiquiátrica do anexo do CDPM, o filme foi selecionado por mostrar a briga entre o bem e o mal e que, com tolerância e amor, os obstáculos podem ser superados com mais facilidade.

“Mesmo com as diferenças individuais e os conflitos internos de cada um, queremos levar a mensagem ao exibir este filme para os reeducandos, de que com amor e tolerância é possível superar os obstáculos, os medos do isolamento, reforçando inclusive a importância da relação deles com a família”, afirma a psicóloga.

Ainda segundo ela, durante a realização do Cine Cultura, foi observado que os internos interagem entre si, fazendo comentários, projetando ou antecipando ações no filme de forma descontraída e amigável, gerando um clima de harmonia.

Projeto – O “Cine Cultura” foi idealizado pela Umanizzare e é uma atividade realizada semanalmente, todas às sextas-feiras. As produções, de estilos variados, acompanhadas pela tradicional pipoca e suco de uva são selecionadas pela equipe técnica de acordo com o tema a ser abordado e buscam trabalhar os conflitos ou educar e orientar ludicamente. Após o filme, é aberto um espaço para que os reeducandos possam expressar o que sentiram e debaterem sobre o que aprenderam.

Publique um comentário