Cursos e Palestras

Presos do Puraquequara recebem palestra sobre os malefícios que o tabagismo traz para a saúde

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

Dizer que o cigarro pode provocar muitos males não é exagero, aqui vão exemplos de determinadas doenças provocadas por ele: hipertensão arterial, infarto do miocárdio, bronquite crônica, enfisema pulmonar, cânceres de pulmão e boca, acidente vascular cerebral, entre outros tipos de enfermidades. 

Com o objetivo de esclarecer sobre o perigo do tabaco para a população carcerária da Unidade Prisional do Puraquequara, uma palestra foi desenvolvida e apresentada pela Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz a cogestão de cinco unidades prisionais da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), aos reeducandos. 

“Percebemos que os internos acabam criando esse hábito do uso de tabaco no presídio, por questões de tensão, estresse, durante as palestras, além de alertar para os malefícios que o cigarro causa, lembramos os internos da importância de participar dos projetos desenvolvidos especialmente para eles, nas áreas de esporte, educação e que fazem toda a diferença para a saúde física e mental deles”, disse a psicóloga da unidade, Alessandra Cabral. 

Ainda segundo ela, quanto mais tempo a pessoa fuma, mais difícil é largar o vício e maiores são as chances de desenvolver algum tipo de doença relacionada ao tabaco. 

Os efeitos da abstinência também juntamente com as consequências psicológicas foram repassados a eles, por exemplo:  depressão, tontura, irritabilidade, ansiedade, dores de cabeça, alteração no sono, concentração e no comportamento alimentar. 

“Parar não é tarefa fácil. O cigarro provoca uma crise de abstinência insuportável. Sem fumar, o dependente entra em um quadro de ansiedade crescente, que só passa com uma tragada. É preciso orientar o fumante, porém não é possível obrigar ninguém a parar de fumar, mesmo porque o primeiro passo para o sucesso do tratamento é a força de vontade”, esclareceu a psicóloga ao finalizar a palestra. 

A atividade teve a participação de 15 reeducandos da galeria 6. No início foi realizada a dinâmica quebra gelo para que os reeducandos se soltassem mais e participassem da palestra de forma ativa. 

Houve reflexão sobre o uso do cigarro ser uma forma de se fazer pertencer a um grupo social e as influências de amigos e da mídia, já que de acordo com a Associação Médica Brasileira- AMB os fumante começam a usar o tabaco antes dos 15 anos, sem contar que é o causador de mais de 150.000 mortes anualmente, sendo considerada a terceira causa de morte no mundo.

Publique um comentário