Cursos e Palestras

Unidade Prisional de Itacoatiara promoveu o “Julho Amarelo” junto aos presos e colaboradores

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

A ações foram para alertar funcionários, familiares e reeducandos sobre as hepatites virais 

A hepatite é a inflamação do fígado. Pode ser causada por vírus ou pelo uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, assim como por doenças autoimunes, metabólicas e genéticas. Em alguns casos, são doenças silenciosas que nem sempre apresentam sintomas.

Esses vírus são classificados por letras do alfabeto em A, B, C, D (Delta) e E. No Brasil, mais de 70% (23.070) dos óbitos por hepatites virais são decorrentes da Hepatite C, seguido da Hepatite B (21,8%) e A (1,7%). 

De olho nos números, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz cogestão em cinco unidades do Estado, intensificaram as ações de combate e prevenção das hepatites virais, por meio da campanha “Julho Amarelo”. 

Na Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), as ações de prevenção às hepatites virais foram divididas em três etapas.  Coordenada pela enfermeira da unidade, Graciane Fábio, em parceria com a Coordenação Municipal Programa IST/AIDS, o primeiro dia foi de orientação para os familiares – com palestras e uma  dinâmica chamada caixinha surpresa: a mesma era repassada de mãos em mãos pelos funcionários, onde só parava de repassar quando a música parava de tocar, cada caixinha tinha um brinde ou uma surpresa para quem permaneceu com a caixa surpresa, até chegar na última caixa que tinha um bilhete escrito: “você foi Infectado”.

“O objetivo da dinâmica foi mostrar que muitos são contaminados com os vírus das hepatites após uso coletivo de material de higiene que deveria ser pessoal, como barbeador, pinças e alicates de unhas. Também falamos que é uma doença que pode ser contraída no ato sexual, sem o uso da camisinha”, ressaltou a enfermeira. 

Depois foi a vez dos reeducandos receberem informações de prevenção e combate às hepatites virais.  Participaram os internos do pavilhão A, B, Triagem e Enfermaria, totalizando 101 reeducandos. Também foram realizados os testes rápidos – 126 no total. 

“Irei ficar mais atento quanto ao compartilhamento de materiais de uso pessoal, pois fui bem alertado sobre o perigo disso. Gostei da iniciativa da campanha, deixando a gente tranquilo ao realizar o teste rápido e a discrição quanto ao resultado”, falou o reeducando Edson Pereira.

Sintomas-  As hepatites são doenças que nem sempre apresentam sintomas, mas, quando estes estão presentes podem ser: cansaço; febre; mal-estar; tontura; enjoo; vômitos; dor abdominal; pele e olhos amarelados; urina escura e fezes claras

Diagnóstico – O diagnóstico e o tratamento precoces podem evitar a evolução da doença para cirrose ou câncer de fígado. Por isso, é tão importante fazer os exames. O diagnóstico pode ser feito por testes rápidos que dão o resultado em uma hora. Também existem exames feitos em laboratório.

Vacina – A vacina é uma forma de prevenção contra as hepatites do tipo A e B, entretanto quem se vacina para o tipo B, se protege também para hepatite D, e está disponível gratuitamente no SUS. Para os demais tipos de vírus não há vacina e o tratamento é indicado pelo médico.

Tratamento – A hepatite C tem cura em mais de 90% dos casos quando o tratamento é seguido corretamente. As hepatites B e D têm tratamento e podem ser controladas, evitando a evolução para cirrose e câncer. “A hepatite A é uma doença aguda e o tratamento se baseia em dieta e repouso. Geralmente melhora em algumas semanas e a pessoa adquire imunidade, ou seja, não terá uma nova infecção. Todas as hepatites virais devem ser acompanhadas pelos profissionais de saúde, pois as infecções podem se agravar”, finalizou a enfermeira da UPI .

Publique um comentário