Notícias

Presos de Itacoatiara se preparam para o Enem e o Encceja

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

        Aulas acontecem por meio do “Projeto Bambú” e preparam os reeducandos para o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (ENCCEJA).

        Partindo da premissa que todos têm direito à Educação, a Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI) está realizando as aulas preparatórias para os reeducandos interessados em participar do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja).

        A preparação dos internos para os exames acontece por meio do “Projeto Bambú”  da Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz a cogestão de seis presídios no Amazonas, administrados pela Secretaria Estadual de Administração Penitenciária, com o objetivo de oferecer as condições necessárias para que os reeducandos sejam bem sucedidos nas provas se preparando em grupos de estudos num espaço adequado.

        Duas turmas de 21 reeducandos recebem aulas diárias com conteúdo em:  Ciências Humanas, Exatas, Tecnológicas, Biológicas e Redação. As lições serão ministradas pelo monitor do Projeto Bambu – o reeducando e professor Rondineli Abreu Cavalcante, que tem formação superior em Ciências biológicas e pós-graduação Psicopedagogia.

        “Este projeto é de suma importância para garantir a educação e o crescimento profissional. Sinto-me honrado em poder contribuir, passar o que aprendi em uma universidade para meus colegas de confinamento. Além disso, com o projeto continuo me aprimorando”, relatou o reeducando.

        Rondineli Abreu Cavalcante foi acompanhado através de avaliação psicossocial antes de ser tonar o monitor do curso e demonstrou o interesse em desenvolver atividades voltadas à educação por ser sua área de atuação profissional. A direção da unidade o considerou apto e ele vem obtendo sucesso demonstrando mudanças positivas no seu comportamento, tendo prazer em participar do projeto e fazendo o que gosta, mesmo privado de liberdade.

        Para o diretor da unidade, Antônio Cordeiro, além de incentivar os reeducandos  a estudar, o projeto possibilita a remição de pena e emprego. “O espaço destinado ao “Bambu” estimula o hábito pelo estudo, leitura e mudança de comportamento, para que haja uma perspectiva de vida positiva”, disse o diretor.

        A psicóloga, Patrícia Mendes, reforça que todo projeto que incentiva os estudos é valido, pois muitos não tiveram a ampla visão de que com conhecimento surgem oportunidades melhores e que é constantemente explorado dentro da unidade, citando outros projetos educacionais e de reinserção como: Projeto Remição pela Leitura e Núcleo de Aprendizado Profissional (Nap).

        O reeducando, Paulo Sérgio Pacheco, é um dos voluntários em aprender; “Agradeço a oportunidade e a chance de participar desse projeto na certeza que todos nós participantes temos o mesmo pensamento que é o desejo e a vontade de mudar” acrescentou Paulo.

        Outras oportunidades: os responsáveis pedagógicos também encaminham os candidatos ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e demais sistemas relacionados à educação superior. Dependendo da nota da prova, os internos podem solicitar certificação do Ensino Médio e também concorrer a vagas pelo Universidade Para Todos (Prouni).

Publique um comentário