Sem categoria

Unidades prisionais do Amazonas terão calendário especial em agosto

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

Considerado um dos mais importantes eventos promovidos no Sistema Prisional, a “Semana do Reeducando”, realizada anualmente na segunda semana do mês de agosto, tem por objetivo promover junto à população carcerária, o diálogo, a reflexão e a conscientização sobre temas que envolvem todo o processo de ressocialização, por meio da intensificação e ampliação de atividades educativas, terapêuticas, esportivas, religiosas e de promoção à saúde.

O planejamento, a elaboração da programação e execução das atividades são realizadas pela equipe técnica da Umanizzare, empresa cogestora do sistema prisional, em parceria com a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap).

 

 

 

 

 

Na programação das as atividades destaque para palestras, debates, mesas redondas e apresentação de filmes educativos promovidas pelos setores de Psicologia e Jurídico com a participação de reeducandos e familiares. O Serviço Social coordenará as atividades de corte de cabelos e barbearia e os professores de Educação Física promoverão torneios de futsal, tênis de mesa e dominó.

Na área de saúde haverá palestra sobre prevenção e tratamento das DST’s, além da realização de testes rápidos para HIV, SÍFILIS, HCV e HEPATITE B. O Setor de Psiquiatria realizará palestra sobre “Saúde Mental” para os reeducandos usuários do serviço. Os participantes do “Projeto Harmonizar” farão uma apresentação musical sob a coordenação do professor de música do projeto. Quanto às atividades religiosas, serão realizados pelas Igrejas que evangelizam no Sistema Prisional, cultos ecumênicos, batizados católicos e evangélicos.

 

 

De acordo com a gerente técnica corporativa da Umanizzare, Sheryde Karoline, o objetivo da “Semana do Reeducando” é incentivar a mudança de comportamento e promover a ressocialização e a reintegração entre reeducandos e familiares, por meio do conhecimento, da tomada de consciências e da adoção atitudes positivas. Ainda segundo ela, é importante que a sociedade civil conheça o trabalho realizado no sistema prisional e seus objetivos, para que os preconceitos sejam extintos.

Publique um comentário