Author

Sarah Maia

Browsing

Os reeducandos da Unidade Prisional do Puraquequara (UPP), estão recebendo aulas de música. A unidade é a quarta, entre as sete, cogeridas pela Umanizzare Gestão Prisional, a receber o “Projeto Harmonizar” este ano.  

A principal finalidade do projeto criado e desenvolvido pela empresa é o de  resgatar a autoestima e a dignidade humana, aproveitando-se o tempo ócio dos(as) apenados(as) para cantar;  fazer música; experimentar e debater assuntos sobre temas músicas, e assim também promover a ressocialização e a consequente reinserção dos internos ao  convívio social.

Participam das aulas de música 22 reeducandos. Por três meses eles irão receber aula de canto e violão. As músicas têm ritmos diferenciados, rock nacional, sertanejo, entre outros.

“A educação musical permite ao ser humano um modo pleno de estar no mundo, buscando um equilíbrio entre a razão e o sensível, provocando reflexão, além disso,  com as aulas estabelecemos atividades que desenvolvem a linguagem musical e oral, juntamente com habilidades rítmicas, visuais, motoras, físicas e psicológicas dos  participantes”, explica o professor responsável pela aulas, Miqueias Fernandes.

As propostas de atividades –   Entre as aulas oferecidas aos reeducandos  estão a de Canto Coral; de Flauta Doce e Oficina;  e de Violão em grupo. As aulas acontecem semanalmente em cada unidade, com apresentações internas a cada etapa concluída do curso.

“Estes reeducando estão na segunda aula, e já  possível perceber o nível de habilidade de cada interno. Seguindo nosso cronograma, lá pela  décima primeira aula acontecerá o ensaio para apresentação final e a sequência de encerramento do curso, em data ainda a ser definida, com apresentação e confraternização”, informa o professor.

Reeducandos, da Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), estão passando por curso profissionalizante de barbeiro. O curso é ofertado pela Umanizzare Gestão Prisional por meio do Projeto do Núcleo de Aprendizado Profissional (NAP), em parceria com a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC Itacoatiara), e tem como foco, a reintegração dos presos à sociedade, através do trabalho, após o cumprimento da pena.

O curso está sendo ministrado para 10 internos da unidade, com carga horária de 60 horas. As aulas consistem em capacitar, profissionalmente, os presos em cortes de cabelo masculino e design de barba. “Nós, do Senac, nos sentimos honrados em proporcionar o conhecimento aos alunos e acreditamos que, com este curso, os reeducandos podem ter a oportunidade de tornarem-se empreendedores e cidadãos qualificados para fornecer seus serviços a sociedade”, enfatizou a coordenadora do Senac Itacoatiara, Josemara Barros.

A gerente técnica da unidade, Maria Domingas Printes, e o diretor da Unidade pela Seap, Antônio Enriques, ressaltaram que este é o primeiro curso profissionalizante do ano na UPI, e que outros já foram programados para acontecer, “os cursos proporcionam ao interno aprendizado e posteriormente a abertura do próprio negócio, sem precisar pedir nada de ninguém, diminuindo as chances de reincidência”, comentou  o diretor.

O reeducando, Diego Ribeiro de Souza, é um dos que está recebendo a capacitação, para ele, cursos como o de barbeiros deveriam acontecer sempre nas unidades, “acredito que não vou precisar de muita coisa para exercer essa profissão lá fora, tipo equipamentos caros, o importante vai ser o tratamento, a mão de obra que vou aplicar nos clientes e que os farão retornar”, acredita o reeducando.

As orientações ressaltam a importância de dentes saudáveis para evitar problemas como cáries, ausência de dentes e mau hálito, que podem acarretar em baixa autoestima no interno.

Saúde Bucal foi o tema da vez, no Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), durante esta semana. A atividade contou com consultas e palestras realizadas por odontologistas que, entre os assuntos, falaram sobre doenças transmitidas sexualmente por vias orais.

A ação contou com a participação de 45 reeducandos, que receberam kits de higiene bucal no final do evento. O objetivo da atividade foi incentivar os reeducandos a cuidarem da saúde dental, evitando assim futuras doenças.

“Nosso objetivo é orientar os reeducandos a assumirem a responsabilidade por sua própria saúde bucal, evitando algumas doenças comuns entre os internos, como gengivite (inflamação da gengiva), periodontite e câncer bucal” afirmou a gerente técnica da Umanizzare, Sheryde Karoline.

 

                Crianças brincam num ambiente descontraído,  enquanto os pais estão no horário de visita no presídio 

 

Desenvolvido pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a cogestora Umanizzare Gestão Prisional, para atender aos filhos dos reeducandos nos presídios do Amazonas, o Projeto “O Pequenino” foi criado para atender o  Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e torna o ambiente carcerário menos traumático para as crianças que acompanham os pais durante o horário de visita, nos finais de semana.

O projeto tornou-se um elo entre o interno e o filho, porque em dias normais na unidade prisional, os pais produzem os próprios brinquedos dos filhos, com material reciclável arrecadado pelos familiares e os detentos.

“O reeducando sai da ociosidade e ainda tem o prazer de brincar com o filho durante a visita, estreitando os laços e o vínculo familiar”, analisa a assistente social  da Umanizzare,  Ana Maria Bezerra, destacando que o projeto da Umanizzare reduz o tempo de espera das crianças e ainda otimiza o tempo de cadastro dos familiares.

Para a psicóloga, Patrícia Mendes Gonçalves, “O Pequenino” resgata o sentimento de pai dos reeducandos, além disso, as crianças esquecem onde estão, “não é porque estamos dentro do sistema carcerário que as crianças precisam se sentir presas, mas sim viver o momento com a família da melhor forma possível”, diz Patrícia.

Conforme a gerente técnica da Unidade Prisional de Itacoatira (UPI), Maria Domingas Printes, o projeto é bastante elogiado pelos familiares, que antes temiam a presença dos filhos nos presídios:

“Só para ter uma ideia do quanto o projeto é bem visto pela comunidade carcerária, apenas no mês de fevereiro e nos finais de semana, participaram do projeto daqui da unidade, 76 crianças”, informou Printes.

Os reeducandos  Alan Kardeck Lima Da Silva, do Pavilhão- A, e Salmo Viana, do Pavilhão B, foram alguns dos pais que trabalharam na confecção de brinquedos para recepcionar as crianças na UPI. Eles produziram: carrinhos, quebra-cabeça e desenhos para colorir, entre outros objetos, para as crianças se divertirem enquanto os pais conversam em outro ambiente.

No mês alusivo ao dia Mundial de Combate à Tuberculose,  a Umanizzare Gestão Prisional promove nas unidades do sistema carcerário onde é co gestora, junto com a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), uma série de atividades para alertar e orientar os internos sobre a importância da prevenção e do combate à doença.

Tosse, cansaço, febre no final do dia, suor à noite, emagrecimento, gânglios no pescoço são alguns sintomas da tuberculose, que pode ser prevenida com a vacina BCG e por alguns cuidados na higiene pessoal.

Equipes técnicas de saúde da Umanizzare  e da Seap realizarão palestras, distribuição de folder informativo e exames entre os internos durante todo o mês de março. Na Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), os internos dos pavilhões A,B, Triagem e Enfermaria já estão passando pelas atividades de esclarecimento sobre a doença.  

“Dentre as medidas a serem tomadas durante toda a Semana da Tuberculose, também está o trabalho junto aos familiares dos presos nos dias de visita e orientação aos internos como detectar, tratar e prevenir a doença” enfatiza a gerente técnica da UPI, Domingas Printes.

De acordo com a gerente técnica da Umanizzare, Sheryde Karoline, nos últimos anos foram alcançados avanços por meio dos programas de controle da tuberculose pelo SUS. “Todavia, nossa atenção dentro das  unidades junto aos detentos é fundamental, o primeiro diagnóstico é feito aqui dentro, por nossos profissionais. A melhor forma de prevenir a transmissão da doença é fazer o diagnóstico precoce e iniciar o tratamento adequado o mais rápido possível, e esse tratamento só termina quando o médico confirmar a cura total do paciente”, informa a gerente.

Dia Mundial de Combate à Tuberculose – A Organização Mundial da Saúde (OMS) instituiu   o dia 24 de março como o dia D de combate à doença, pelos 100 anos do anúncio do descobrimento do bacilo causador da tuberculose, ocorrida em 24 de março de 1882, pelo médico Robert Koch.

 A atividade é desenvolvida para incentivar o trabalho em equipe, proporcionar inserção social e resgatar a autoestima de cada recluso.

Aproximadamente 60 internos da Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), dos pavilhões A e B, participaram de um torneio de queimada, promovido pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a Umanizzare Gestão Prisional.  Os pavilhões A e B competiram entre si, e ao final do dia, o troféu foi para as mãos dos jogadores do pavilhão B, a medalha de prata ficou com a equipe do pavilhão A e a de bronze com mais uma equipe do pavilhão B.

O evento teve o apoio da Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e Lazer – Semjel, por meio do secretário, Izomar Barbosa Melo, que elogiou a competição, os participantes e a gerência da unidade, destacando que a promoção de atividades como o torneio  é uma ação  socioeducativa, um momento de entretenimento através do esporte e que proporciona a ressocialização.

“A promoção de atividades como esta, leva à inserção social e ainda resgata a autoestima de cada recluso. Sem dizer que traz benefícios para a saúde, tirando-os do sedentarismo. Para nós a parceria foi bem gratificante”, enfatizou o secretário da Semjel.

Para um dos campeões do torneio, o interno Bruno Batista, o esporte tem o poder de mudar a vida e de criar novas chances. ‘’ Através do torneio descobri que sou bom no esporte e que sei lidar com o trabalho em equipe.  Além disso, nos leva a exercitar e melhorar a nossa saúde e distrair nossa mente”, comentou Bruno.

A gerente técnica da Unidade, Domingas Printes, reforçou que a prática de esportes é muito importante para a interação dos reeducandos, “tivemos a oportunidade de acompanhar a disciplina e o empenho de cada interno, o que nos mostra que os resultados são positivos e os objetivos estão sendo atingidos”, finalizou Domingas.

Desenvolvido pela Umanizzare Gestão Prisional, o projeto “Espaço Terapêutico” integra o programa de ressocialização dos detentos e torna mais humano o ambiente carcerário.

O programa “Espaço Terapêutico reuniu presos de pavilhões, com históricos pessoais bem diferentes, que cumprem pena na Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI).  Durante um mês, reeducandos portadores de HIV, de transtornos mentais e participantes da remição pela leitura, trocaram informações e experiências. A intenção da direção do presídio é de fortalecer os laços de amizade, afeto, confiança, empatia e respeito com técnicas de intervenção, usando grupos de conversa, cinema, dinâmicas e outras metodologias.

A psicóloga responsável pela atividade, Patrícia Mendes, explicou que o trabalho  funciona como dinâmica entre os internos e ressaltou o resultado alcançado: “Dividimos o grupo em duplas, para que se conhecessem, depois solicitamos que eles falassem um do outro, conforme impressão que tiveram durante as conversas, e o resultado foi maior que o esperado,  eles entenderam os conflitos, as frustrações, se viram um no lugar do outro, compreenderam sobre a importância do respeito, da tolerância com o próximo, principalmente em um lugar como este, de confinamento”, explica.

O reeducando, Jonatas dos Santos, foi um dos participantes do projeto. Para ele, o espaço transmite momentos de amor, alegria e paz. “Eu creio que muitas pessoas vão se sentir muito melhor agora, eu pelo menos vou”, disse o interno.

Crescimento – Para a gerente técnica da unidade, Maria Domingas Printes, o “Espaço Terapêutico”  leva a prática da reflexão e momento marcantes para a vida de cada reeducando que participa, e que a sementinha plantada, já colhe frutos.

“Esse é um dos projetos que vem crescendo a cada mês. Os  reeducandos querem participar, já ampliamos para três grupos mensais. É muito gratificante, para nós colaboradores, vê-los expressar seus sentimentos por meio de uma forma saudável de comunicação, o que torna a convivência mais agradável na unidade”, informa Printes.

Os reeducandos do  Instituto Penal Antônio Trindade – (IPAT), estão recebendo aulas de música e canto.  As atividades são desenvolvidas em um período de três meses, num total de 12 aulas. O projeto é criado e desenvolvido pela Umanizzare Gestão Prisional Privada.

O projeto busca promover a ressocialização e a reinserção dos internos novamente ao convívio social, através do aprendizado e de atividades musicais desenvolvidas nos presídios.

O responsável pelo ensino musical dos detentos é o professor Miqueias da Silva Fernandes. Ele acredita que a educação musical tem como função transformar critérios e ideias artísticas, em uma nova realidade para os apenados.

“Estabelecemos atividades que desenvolvam a linguagem musical e oral, juntamente com habilidades rítmicas, visuais, motoras, físicas e psicológicas” explica o professor, Miqueias Fernandes.

Participam das aulas de música 25 reeducandos. A modalidade trabalhada, escolhida por eles mesmos, é o canto. As músicas têm ritmos diferenciados, rock nacional, sertanejo, entre outros.

“Já está estamos na terceira aula, e já é possível perceber o nível de habilidade de cada interno. Seguindo nosso cronograma, na décima primeira aula acontecerá o ensaio para apresentação final e a sequência de encerramento do curso, em data ainda a ser definida, com apresentação e confraternização”, informa o professor.

Cronograma – A segunda unidade a receber o projeto é o Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), com reeducandos da enfermaria psiquiátrica. A princípio, serão de 6 a 12 participantes por aula. A modalidade é o canto, com canções de ritmos variados.

A terceira unidade assistida pelo projeto foi o Complexo Prisional Anísio l Jobim (Compaj), com 12 alunos. As aulas já começaram em primeiro de março último. A proposta musical para essa unidade é o canto coral, já que existem vários reeducandos com conhecimentos musicais.

A quarta unidade assistida com o projeto Harmonizzar, será a unidade do Puraquequara (UPP), com 22 reeducandos. O repertório ainda está sendo estudado para a unidade.

As unidades do Presídio Feminino e Masculino (PFM) e o Centro de Detenção Prisional Feminino (CDPF) estão em fase de adaptação, de dia e horário para receber o projeto.

SOBRE OS CURSOS:

Canto Coral – Proporciona o estímulo e o desenvolvimento de valores referentes ao compromisso, autodisciplina, criatividade, sociabilidade, integração, atenção, autoestima, autorrealização musical, capacidade de concentração, respeito mútuo, redução da timidez ou inibição. Além dos benefícios da parte cognitiva do ser humano, especialistas afirmam que a atividade de canto desenvolve também a parte corporal, aumentando a apuração auditiva, da percepção, da memória, do senso rítmico, do órgão fonador e articuladores, dos pulmões, aumento da capacidade respiratória e circulação do oxigênio no corpo. É uma atividade anti-stress, antidepressiva e terapêutica.

Flauta Doce – Este curso propõe um trabalho coletivo, priorizando o crescimento musical dos participantes. Além do encontro semanal, momento no qual se pratica a música em conjunto, procura-se oferecer aos integrantes do projeto, oficinas de flauta doce, palestras, assim como, oportunidades para apresentações do repertório trabalhado, em espaços e momentos oportunos. O objetivo do curso consiste em desenvolver a capacidade artística, propiciar o aprimoramento da inteligência musical e a inserção dos alunos flautistas no mundo da cultura e da música instrumental.

Violão em Grupo – O projeto Oficina de violão busca desenvolver a capacidade do instrumentista/acompanhante no instrumento. Para isso, aspectos como, técnica, percepção e criação são trazidos à baila, praticados e discutidos com os participantes. O curso objetiva trabalhar todas as potencialidades do instrumento, desenvolvendo no aluno habilidades gerais e específicas relacionadas a musicalidade, com o foco na execução musical no instrumento.

Avaliação – As atividades desenvolvidas são avaliadas através da: frequência dos reeducandos, participação, interação, esforço individual, dedicação nos ensaios, desenvoltura, habilidade na execução do instrumento e na apresentação em público.

Detentos do regime fechado do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), estão passando por curso para formação de barbeiro, realizado por meio do Projeto do Núcleo de Aprendizado Profissional (NAP), com foco na reintegração à sociedade, através do trabalho, após o cumprimento da pena.

No curso, desenvolvido pela Umanizzare Gestão Prisional, os presos passam por capacitação profissional em cortes de cabelo masculino e design de barba. A formação vai permitir geração de renda e garantir o sustento dos familiares, após o cumprimento de pena.

As aulas são ministradas pela professora Marinez Costa, instrutora qualificada e contratada pela Umanizzare, com carga horária de 60 horas.  Para participar do curso foram selecionados 16 internos.

“Os alunos irão aprender a organizar o ambiente de trabalho, realizar corte de cabelo masculino, procedimentos de design de barba, costeletas e bigodes”, informou o gerente Técnico do Compaj fechado, Antônio Valdeci.

Remição de pena –  Os internos além de aprenderem uma profissão, também tem a pena remida pela participação na proporção de 3×1, ou seja, a cada três dias ele tem direito a um dia de remição de pena.  Ao final do curso, os reeducados irão receber certificados.

 

A ação tem o objetivo de atender as necessidades dos reeducandos que não possuem documentos, como: RG, CPF e cartões de saúde.

A Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), localizado a 269 km em linha reta de Manaus, realizou o “Projeto Mutirão Social” para a emissão de documentos, como: CPF, Carteira de Identidade e Cartão do Sistema Nacional de Saúde, aos internos que não possuem esta documentação. Até o momento, 226 apenados foram beneficiados.

O “Mutirão Social” foi promovido pela Secretaria de Administração Penitenciária (SEAP) e a Umanizzare Gestão Prisional, e contou com a parceria da Secretaria Municipal de Educação (Semed) e o Pronto Atendimento do Cidadão de Itacoatiara.  Em três dias foram emitidos e entregues:  66 RG; 53 CPF; 41 Certidões de Nascimentos; 66 Cartão Nacional do SUS.

Para a gerente técnica responsável pela UPI, Domingas Printes, a ação é importante para os presos, não só para quando ganharem a liberdade, mas dentro da unidade prisional, devido a necessidade da documentação para que eles sejam inseridos em programas de educação, saúde e trabalho. Atualmente, a Justiça também exige documento para os presos que saem em condicional.

De acordo a gerente técnica da Umanizzare, Sheryde Karoline, o objetivo dos mutirões é contribuir para a inserção dos internos na sociedade, com novas oportunidades e por este motivo a empresa realiza com frequência mutirões de documentos nas unidades.

“Com a regularização dos documentos abre-se a oportunidade para inserção dos reeducandos nos projetos e também para a participação em cursos, como, por exemplo: o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec)”, ressalta a Karoline.

Um dos beneficiados com a retirada de documentos foi um interno, de 38 anos, que não quis se identificar. Depois de passar cinco anos sem Carteira de Identidade, ele conseguiu a segunda via do documento. “Eu tinha perdido meu documento. É muito importante, porque quando sair daqui precisarei dele para tudo, inclusive para conseguir emprego”, afirmou.