Author

Sarah Maia

Browsing

Internos do sistema prisional do Amazonas participam hoje (12/12) e amanhã (13/12) do Exame Nacional do Ensino Médio para pessoas privadas de liberdade (Enem-PPL), com aplicação em 18 unidades do Estado. A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), através da Escola de Administração Penitenciária (Esap), realizou a inscrição de um total de 521 internos na edição do Enem PPL deste ano.

Em busca da inserção educacional e resgate da cidadania, a Seap investiu nas inscrições tanto na capital quanto no interior. Estão realizando as provas um total de 378 internos da capital e 143 do interior do estado.

O secretário de Estado de Administração Penitenciária, coronel da Polícia Militar, Cleitman Coelho, destaca a participação dos internos no Enem PPL. “Toda nossa equipe está engajada nesta ação. Queremos que os internos se sintam confiantes e coloquem em prática tudo que aprenderam nas aulas diárias que receberam através do projeto ‘Bambu’, que tem a finalidade de preparar os detentos para este Exame”.

Ação conjunta – A participação dos internos do Amazonas no Enem PPL ocorre desde o ano de 2012 e já registrou um total de 42 aprovações, até a edição de 2016. Este resultado parte da ação conjunta entre Seap e a empresa Umanizzare Gestão Prisional, que por meio do Projeto Bambu oferece aos internos um espaço didaticamente adequado e motivador, que busca a educação formal mediante o estímulo do hábito pelo estudo, leitura e mudança de comportamento.

Para a gerente técnica da Umanizzare, Sheryde Karoline, o exame foi o incentivo que faltava para que os detentos tivessem acesso à educação e oportunidades concretas de um curso superior, visando o mercado de trabalho após o cumprimento da pena.

“Além do Enem, os participantes podem também concorrer a uma vaga no curso de ensino superior pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu) ou Programa Universidade Para Todos (Prouni), seguindo o mesmo padrão aplicado aos alunos regulares do Ensino Médio”, enfatiza a gerente.

Áreas diversas – Os internos receberam aulas diariamente com os conteúdos nas áreas de Ciências Humanas, Exatas, Tecnológicas, Biológicas e Redação, preparando-os assim para as provas do Enem PPL e também para o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (ENCCEJA).

No total, 18 unidades realizam as provas, entre elas todas as unidades da capital e dos municípios de Coari, Humaitá, Itacoatiara, Maués, Parintins, Tabatinga e Tefé. A lista dos aprovados deve ser divulgada nas primeiras semanas do mês de janeiro de 2018.

Como acontece periodicamente, detentos do sistema prisional do Amazonas estão recebendo orientação médica sobre saúde bucal. O trabalho é realizado por odontologistas, por meio de palestras e consultas.

As orientações ressaltam a importância de dentes saudáveis para evitar problemas como cáries, ausência de dentes e mau hálito, que podem acarretar em baixa autoestima no interno.

O trabalho vem sendo feito em todas as 19 unidades do sistema amazonense e fazem parte do Projeto de Saúde Bucal “Prevenir Para Sorrir”, lançado em 2016 pela Secretaria de Administração Penitenciária do Amazonas (Seap) e a Umanizzare Gestão Prisional Privada, que atende os mais de 7.984 presos, incluindo os do regime semiaberto.

Durante as orientações, os presos recebem kits de higiene bucal, compostos por escovas de dente, creme dental e fio dental.

“Nosso objetivo é orientar os reeducandos a assumirem a responsabilidade por sua própria saúde bucal, evitando algumas doenças comuns entre os reeducandos, como gengivite (inflamação da gengiva), periodontite e câncer bucal” afirma a técnica Sheryde Karoline.

Detentos da Enfermaria Psiquiátrica do Centro de Detenção Provisória de Manaus (CDPM) assistirão neste fim de semana o filme “Logan”, último da série X-Men

Um herói fugindo do passado e entregue a bebida e ao isolamento. Esse é o personagem do filme Logan (Hugh Jackman), do mutante mais amado entre os X-Men pelos espectadores da série, que será exibido neste feriado de Nossa Senhora da Conceição, na programação do projeto Cine Cultura.

No filme, Logan que tem uma filha e que ela está sendo perseguida por forças obscuras. Essa é a sinopse básica de Logan, despedida de Jackman do papel que o consagrou, e que é a atração do projeto cultural realizado para os internos do sistema prisional pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a co-gestora das Unidades Prisionais, a Umanizzare Gestão Prisional.

O projeto Cine Cultura tem como objetivo estimular a reflexão dos internos, após cada sessão exibida. De acordo com psicóloga, Neiva de Souza Mar, responsável pela Enfermaria Psiquiátrica do anexo do CDPM, o filme foi selecionado por mostrar a briga entre o bem e o mal e que, com tolerância e amor, os obstáculos podem ser superados com mais facilidade.

“Mesmo com as diferenças individuais e os conflitos internos de cada um, queremos levar a mensagem, ao exibir este filme para os reeducandos, de que com amor e tolerância é possível superar os obstáculos, os medos do isolamento, reforçando inclusive a importância da relação deles com a família”, afirma a psicóloga.

Projeto – O “Cine Cultura foi idealizado há seis meses pela Umanizzare e é uma atividade realizada semanalmente, todas as sextas-feiras.  As produções, de estilos variados, acompanhadas pela tradicional pipoca e refrigerante, são selecionadas pela equipe técnica de acordo com o tema a ser abordado e buscam trabalhar os conflitos, ou educar e orientar ludicamente.  Após o filme, é aberto um espaço para que os reeducandos possam expressar o que sentiram e debaterem sobre o que aprenderam.

Para a assistente social da Umanizzare, Carla Rute Maia de Oliveira, durante a semana os reeducandos ficam na expectativa do “dia do cinema”. Ainda segundo ela, eles ficam curiosos sobre qual o filme que será apresentado.

“O cinema, no âmbito educativo, proporciona um ambiente ideal para ajudar as pessoas privadas de liberdade a tomarem decisões conscientes e responsáveis. Além disso, o trabalho junto aos pacientes psiquiátricos se torna ainda mais humanizado, descontraído”, explica a assistente social da Umanizzare.

Além de atuarem junto à população carcerária orientando os outros internos, eles ainda têm a pena reduzida.

Internos do sistema prisional do Amazonas estão participando de cursos para se tornarem agentes de saúde. Os detentos estão sendo treinados para identificar o maior número possível de doenças sintomáticas e mais recorrentes no ambiente carcerário, por meio do projeto “Agente Promotores de Saúde” (APS).

A capacitação acontece na Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI) e no regime fechado do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj Fechado), uma vez por semana, durante um mês, e é ministrada por profissionais de saúde de cada estabelecimento. Após este processo, o preso se torna apto para trabalhar na promoção da saúde junto aos colegas confinados.  Atualmente, já existem 24 reeducandos formados e atuando nessa função.

“O papel dos APS´s é exclusivamente de apoio à equipe de saúde, tendo em vista que são exatamente estas pessoas que vivenciam as dificuldades e necessidades dos colegas de confinamento”, explica a gerente técnica da Umanizzare, Sheryde Karoline.

Além de se tornarem braço direito dos profissionais da saúde dentro dos presídios, os reeducados selecionados pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a cogestora das Unidades Prisionais, a Umanizzare Gestão Prisional, são beneficiados com a concessão da remição de pena; para cada três dias de trabalho, um dia a menos no presídio.

Conforme a Seap, o projeto deve ser ampliado no próximo ano, chegando aos 19 presídios do Estado.  O objetivo da secretaria é capacitar dois APS’s por cada pavilhão nas unidades.

“Mensalmente, é elaborado um mapa laboral, devidamente assinado pela enfermaria e pelo diretor do estabelecimento que é encaminhado ao Juízo da Execução Penal, para considerações e remição da pena”, informa a chefe do Departamento de Reintegração Social da Seap, Zuleide Nogueira.

Projeto – O projeto “Agentes Promotores de Saúde” atende as recomendações do Ministério Público, de acordo com o artigo 9º da Portaria Interministerial nº 1777, nas unidades prisionais classificadas como presídios, penitenciárias ou colônias penais, que diz que 5% do total da população carcerária poderá ser selecionada para trabalhar como Promotores de Saúde.

A população carcerária do Centro de Detenção Provisória de Manaus (CDPM) recebeu no mês de novembro, um total de 4.640 atendimentos técnicos, relacionados à assistência jurídica, social, odontológico, educação física, enfermaria, médico psiquiatra, clínico e psicológico.

O serviço é promovido pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) em parceria com a co-gestora das unidades prisionais, a Umanizzare Gestão Prisional.

De acordo com o gerente técnico do CDPM, Alexandre Santos, foram realizados 508 atendimentos jurídicos, 1.377 sociais,    772 odontológicos, 188 físicos, 1.331 de enfermaria, 22 atendimentos com o médico psiquiatra, 178 atendimentos médicos clínicos e 264 psicológicos, totalizando 4.640 atendimentos durante o mês de novembro.

*Atendimentos*

O mês de novembro também foi data do novembro azul. Segundo o gerente técnico do CDPM, o evento foi uma atividade pontual realizada com reeducandos e seus familiares, com entrega de kit’s de higiene pessoal para as pessoas que tiveram liberdade privada. “Ao final das palestras foi oferecido um coffee break, esta atividade foi realizada em cinco etapas”, comenta o gerente.

Alessandre Santos disse que a atividade em saúde bucal foi realizada no dia 8 de novembro, no Centro de Recebimento de Triagem (CRT), com a participação dos seguintes profissionais: Ruy Filipe dos Santos Barros – Cirurgião Dentista, Idaléia Glória – ASB, e a psicóloga Josiane Paulino.

“Participaram da palestra cerca de 25 reeducandos, que teve como tema principal os cuidados com a higiene oral, onde foi abordado a doença cárie e doença periodontais, origem e prevenção, além de técnicas de escovação e distribuição de kits de higiene oral com escova, creme dental”, comenta.

O gerente técnico explica que o objetivo da atividade foi conscientizar os reeducandos da importância da higiene oral e a sua relação com a saúde em geral. Ao final da palestra, os reeducandos fizeram questionamentos em relação ao tema, e om mesmos foram esclarecidos pelos profissionais.

*Cine Cultura*

Alexandre Santos conta que o Cine Cultura é uma atividade realizada semanalmente com os 20 reeducandos da Enfermaria Psiquiátrica, todas as sextas-feiras. O gerente técnico conta que no mês de novembro as sessões foram realizadas nos dias 3, 10, 17 e 24.

“Os filmes apresentados levam os reeducandos à reflexão acerca de temas variados, após o filme o filme é proporcionado um momento para que todos possam expressar seus sentimentos e opiniões”, explicou o gerente técnico do CDPM.

Reeducandos da Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), município a 176 quilômetros de distância de Manaus, confeccionam sabonetes artesanais que serão distribuídos para familiares das pessoas que tiveram liberdade privada . Nessa terça-feira (5), foram produzidos 30 sabonetes por dois reeducandos que se destacaram em um curso promovido no mês de outubro. Os produtos serão distribuídos para familiares dos próprios presos.

De acordo com a gerente técnica da UPI, Maria Domingas Printes do Carmo, a confecção de sabonetes está dentro do projeto do Espaço Terapêutico, que visa fazer trabalhos laborais e terapia em grupo. Domingas explica que o programa é uma forma de diminuição das tensões e comunicação em grupo. O projeto é desenvolvido através de uma parceria entre a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a Umanizzare Gestão Prisional.

“A ideia é que na próxima semana tenhamos mais trabalhos com confecção de sabonetes”, comentou Domingas.

O reeducando Fabio da Silva ressalta a importância de participar desse tipo de atividade que, para ele, muda a visão para novas oportunidades, para exercer um novo rumo na sua vida. “Esse processo abre as portas para o futuro”, Silva.

Para a psicóloga Patrícia Mendes, o curso traz conhecimento e perspectiva de aprender uma profissão, para quando o reeducando estiver em liberdade, ter a opção, junto com a família, de produzir e ser agente de sua história.

“Essa produção será para lembranças de final de ano dos familiares dos reeducandos. O objetivo é continuar com o trabalho na próxima semana”, explica a psicóloga.

Dos reclusos da UPI.

Detentos estão entre os mais vulneráveis a doenças sexualmente transmissíveis, como vírus da imunodeficiência humana (HIV) e à AIDS, entre outras.

Dentro da programação pelo Dia Mundial de Luta contra a Aids, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) com o apoio da co-gestora das unidades prisionais, Umanizzare Gestão Prisional Privada, irão intensificar ações voltadas para a prevenção da doença e de outras infecções sexualmente transmissíveis, a partir de dezembro.

“As ações são reforçadas no dia 1º de dezembro, quando nossa equipe intensificará palestras sobre a prevenção em cada uma das unidades, colocando inclusive a disposição dos internos mais exames de testes rápidos para detecção de HIV”, informa a gerente técnica da Umanizzare da Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), Maria Domingas Printes.


O teste rápido para a detecção do HIV é um dos serviços realizados durante todo o ano pelas equipes da Seap e Umanizzare dentro das unidades, por meio das triagens, além da distribuição de camisinhas aos detentos.

Dia Mundial de Combate à AIDS – É celebrado em 1º de dezembro. A data foi escolhida pela Organização Mundial de Saúde e, desde 1988, tem uma programação oficial no Brasil. A data tem por objetivo estabelecer o entrelaçamento de comunicação, promover troca de informações e experiências, e de criar um espírito de tolerância social.

AIDS – É uma doença causada pelo vírus HIV, geralmente transmitida por contato sexual desprotegido com pessoa contaminada, mas pode ser também transmitida por transfusão sanguínea e compartilhamento de objetos perfuro cortantes. A doença não mata por si só. Porém, causa um grande impacto no sistema imunológico, deixando o paciente sujeito a doenças oportunistas como a pneumonia, debilitando o organismo e levando a morte.

Filhos menores de idade, de presos do sistema penitenciário, estão participando do “Projeto Pequeninos”, um programa que atende crianças durante o cadastramento dos familiares nas unidades prisionais do Estado.

O projeto foi criado, e funciona, há três anos, numa parceria da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP) e da Umanizzare Gestão Prisional Privada, empresa que tem coparticipação na gestão das unidades prisionais.

No projeto, as crianças ocupam o tempo se divertindo, desenhando e pintando. Também utilizam brinquedos produzidos com materiais reciclados, como: papelão, garrafas pets de refrigerantes e borrachas, feito pelos próprios internos, enquanto a família se prepara para a visita aos parentes.

“Ao invés de ficarem ociosas, a criança tem um acompanhamento diferenciado para a leitura, aprendizado, psicomotricidade e brincadeiras, enquanto a família visita seus pais”, explica a psicóloga da Umanizzare, Patrícia Mendes.

Itacoatiara – Diferente das outras unidades, quando o projeto é realizado durante o cadastramento da família em dias de semana, em Itacoatiara, município localizado a 170 km em linha reta de Manaus, ele acontece há dois anos, nos finais de semana, aos sábados e domingos, das 8h às 11h.

“Ele é feito de forma lúdica onde a criança fica distante do ambiente pesado, do clima de tensão”, diz Ana Maria Bezzera, assistente social da Umanizzare, em Itacoatiara.

Reenducandos do Instituto Penal Antônio Trindade (IPAT) realizam, nesta quinta-feira (30), a prova oral do projeto remição pela leitura. O projeto e desenvolvido pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) em parceria com a co-gestora das unidades prisionais, a Umanizzare Gestão Prisional, e atende à Recomendação nº 44/2013 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) – que dispõe sobre atividades educacionais para fins de remição da pena pelo estudo – e à Lei de Execução Penal.

De acordo com a psicóloga do IPAT, Simone Condes da Silva, a cada obra lida, os reeducandos tem remição de quatro dias da pena aplicada. A educadora explica que o reeducando passa por três etapas do projeto, a primeira: a primeira, consiste na entrega do livro, depois segue para prova escrita, em seguida prova oral.

Simone conta que o total de participantes, em média, fica em torno de 15 pessoas. Mas, nesta nova edição, 24 pessoas foram inscritas. A psicóloga comenta que a aceitação por parte dos reeducandos é muito boa. Alguns, que nunca tinham tido interesse em ler enquanto estavam fora dos muros, apresentam um grande fascínio. Eles se dedicam a leitura e gostam do que fazem, do que aprendem nos livros”, comenta.

A psicóloga afirma que, com o projeto, os profissionais envolvidos ficam pasmos com a desenvoltura, o entusiasmo e a dedicação que os reeducandos têm em ler os livros e se apresentar a banca. “Já os reeducandos, mostram os melhores e mais ternos sentimentos. Alguns se emocionam com os livros lidos, outros contam as próprias experiências”, comenta a profissional.

A terceira edição do Concurso de Redação, promovido pela Defensoria Pública da União (DPU), terá o resultado divulgado na primeira quinzena de dezembro. O certame contempla reeducandos, do sistema prisional do Amazonas,  com a remição de pena.

Mais de 80 internos participaram do concurso, que teve como tema: “Mais direitos, menos grades!”. O projeto foi realizado em parceria com a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a Umanizzare Gestão Prisional Privada.

As redações foram aplicadas em setembro, em cinco das sete unidades do sistema penal amazonense, e os participantes que se destacarem terão a remição de até 1 (um) dia na pena.

Os textos estão sendo avaliados por uma bancada composta de profissionais da Seap e da Universidade Estadual do Amazonas (UEA).

Programa Letras que Libertam – O Concurso de Redação faz parte do Programa de remição de pena pela leitura: “Letras que Libertam”, recomendado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que em 2016 contabilizou 3.668 dias a menos de penas nas unidades do Amazonas.

Os internos que participam regularmente das atividades pedagógicas e socioeducativas recebem livros, e são orientados a produzir resenhas e relatórios sobre a leitura indicada.

“Com este incentivo os reeducandos descobriram um aliado para vencer a ociosidade e, ao mesmo tempo, adquirir bons conhecimentos”. Além disso, há uma “mudança positiva de comportamento entre eles”, o convívio melhora e as “expectativas de um futuro melhor” passam a existir, acrescentou a gerente geral da área técnica da Umanizzare, Sheryde Karoline.

Manaus, 28 de novembro de 2017