Cursos e Palestras

Presos do Amazonas recebem curso profissionalizante de garçom

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

A capacitação em presídio estimula resiliência e a inserção no mercado de trabalho após cumprimento da pena. 

Quinze reeducandos Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), localizada a 177 quilômetros de Manaus, vêm recebendo qualificação profissional para garçom.  Este é o primeiro curso voltado para a área realizado em um presídio do estado. 

A profissionalização é oferecida pela pela Umanizzare Gestão Prisional, empresa que faz a cogestão de cinco presídios da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – Senac, em mais uma oportunidade de recomeço para quando os reeducandos conquistarem a liberdade, com possibilidade de reabilitação social e econômica. 

A qualificação tem carga horária de 40 horas é ministrado num ambiente com espaço adequado para a realização de curso profissionalizantes na educação para os privados de liberdade, sob o comando do professor Kalebe de Oliveira. 

Segundo o diretor da Unidade, Antônio Enrique Cordeiro, muito além do conhecimento técnico necessário para ser uma profissional da área, a qualificação busca despertar nos internos mudanças de comportamento, incentivadas pela melhoria da autoestima e da ressocialização e inserção no mercado de trabalho.  

“Com crescimento do setor, empresários do AM fazem ‘upgrade’ em restaurantes, bares e franquias, a expansão anual é em torno de 10% para o setor de alimentação fora de casa gerando aproximadamente 450 mil novos empregos por ano, sendo mais da metade só para a profissão de garçom”, ressaltou o diretor com base nos dados da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). 

Um dos reeducandos que prefere não ter o nome divulgado e que vai participar da capacitação falou sobre as perspectivas de ter uma profissão. 

“Com esse curso descobri que trabalhar honestamente dá dinheiro, e sem o peso de estar fora da lei. Hoje posso dizer que mudei de vida, quero andar para frente, desta vez ralando, com um trabalho digno”, garantiu.

Publique um comentário