CDPF

Reeducandas do CDPF recebem curso de confecção para lembranças de Natal

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

Além da capacitação por meio do Projeto Mãos Livres, as internas estão responsáveis por produzir todos os enfeites que irão decorar os presídios do Amazonas

Várias lembrancinhas e decoração de Natal serão fabricadas pelas presas do Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF)  que, nesta semana, começaram a receber qualificação em artesanato para confeccionarem peças natalinas. 

O curso faz parte do Projeto Mãos Livres, que tem entre suas metas propiciar aos reeducandos (as) um conjunto de trabalhos manuais de natureza terapêutica, com viés de inserção econômica – desenvolvido pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a cogestora de cinco unidades prisionais no Amazonas, a Umanizzare Gestão Prisional.

“Além de terem acesso a noções de técnicas modernas de arte, com foco em sustentabilidade e design, as reeducandas são familiarizadas a planos de negócios, proposta de valores, marketing e análise de mercado. Dessa forma,  ganham acesso a um trabalho que auxilia na quebra da tensão do ambiente prisional”, disse a coordenadora de projetos da Umanizzare, Maria Domingas Printes.

Ao todo, 20 internas participam da capacitação e, além do aprendizado, receberam remição da pena, conforme estabelece a Lei de Execução Penal. As aulas são ministradas pela instrutora Arlene Araújo da Silva e terão duração de 14 dias, com carga horária de 80 horas. Serão repassadas técnicas para montar decoração para as unidades prisionais, com papel, EVA e material reciclável: copos descartáveis, rolo de papel higiênico, materiais industrializados tipo – sianinha, balão, bola de isopor, etc.

Essas peças serão distribuídas para as unidades da cogestora Umanizzare, tendo o objetivo de fazer a lembrança do Natal, diz Maria Domingas Printes, assessora dos projetos sociais da empresa.  

Segundo a diretora da unidade prisional, Maria Socorro Freitas, a capacitação das internas traz inúmeros benefícios durante e após o cumprimento de pena. “A especialização em artesanato amplia as oportunidades de trabalho, por isso serão realizadas outras qualificações em artesanato, a fim de atender mais internas”, ressalta.

O encerramento das aulas acontece no final de novembro.

Publique um comentário