CDPF

Reeducandas do CDPF participam do projeto de remição pela leitura

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

As reeducandas do Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF) participaram da 8ª edição do projeto de Remição pela Leitura. O projeto acontece por meio de uma parceria entre a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) e a Umanizzare Gestão Prisional.

O projeto segue a recomendação nº 44, de 26 de novembro de 2013, do Conselho Nacional de Justiça e dispõe sobre atividades educacionais complementares para fins de remição de pena pelo estudo e estabelece critérios para a admissão pela leitura.

O psicólogo a unidade, Igo Felipe Almeida da Silva, disse que a metodologia aplicada é dividida em duas etapas: distribuição das obras a serem lidas no começo do mês, para as reeducandas residentes do Pavilhão 1, 2 e 3, e prova escrita e oral ao final do mês.

“A princípio foram selecionadas 35 reeducandas, porém participaram da prova escrita/oral somente 32 reeducandas”, disse o psicólogo.

Igo Silva disse que a atividade é realizada no Núcleo de Aprendizagem Profissional (Nap), no dia 30 de setembro. O psicólogo disse que objetivo da atividade é dar continuidade na dinâmica prisional, incentivando o hábito da leitura como forma de conhecimento e favorecendo a mudança de comportamento.

A atividade foi desenvolvida pelo setor de psicologia, representado pelo psicólogo da unidade Igo Felipe Almeida da Silva. A avaliação escrita/oral foi realizada com apoio do educador físico Rosinaldo Gomes e advogado Jerônimo Pereira da Silva Neto, que formaram a comissão avaliadora, responsável em avaliar o desempenho de cada reeducanda.

A reeducanda Adelia Frota Dias leu o livro “Pelas Portas do Coração”, da autora Zibia Gasparetto e ressaltou a importância da leitura dentro da unidade prisional e como o projeto tem mudado a rotina das colegas reeducandas.

“Já gostava de ler fora da unidade e aqui podemos ocupar o tempo com algo produtivo e para nosso conhecimento”, disse a reeducanda.

Publique um comentário