Ressocialização Umanizzare

Reeducandos escolhem obras literárias para “Remição pela Leitura”

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

“Através da leitura, voltamos a sonhar. A ter auto-estima. A ter expectativa para um novo começo. Podemos fazer comparações de situações fictícias e histórias como a nossa. E assim, descobrir que todos nós estamos sujeitos ao erro e a queda. Mas, depende de cada um de nós decidir se vai se levantar ou permanecer no chão”. As palavras de Ivanildo Guimarães Souza demonstram a importância que a leitura pode desempenhar na vida de um apenado. 

Esta semana, aproximadamente 20 reeducandos (as) do Centro de Detenção Provisória de Manaus (CDPM), do Centro de Detenção Provisório Feminino (CDPF) e da   Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI) – localizada a 269 km da capital amazonense, tiveram acesso às bibliotecas de cada unidade para escolherem os livros e assim começarem mais uma edição do Projeto Remição pela Leitura. 

O projeto é realizado pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e da Umanizzare, empresa que faz cogestão em seis presídios do Amazonas. 

De acordo com a gerente técnica da Umanizzare, Sheryde Karoline, o preso terá o prazo de vinte e um a trinta dias para a leitura da obra, apresentando ao final do período resenha a respeito do assunto. 

“Uma comissão analisa os trabalhos produzidos, observando aspectos relacionados à compreensão e compatibilidade do texto com o livro trabalhado. Então o Juiz de Execução Penal competente decide sobre o aproveitamento da leitura realizada, contabilizando os dias de remição de pena para os que alcançarem os objetivos propostos”, explica Sheryde. 

As resenhas realizadas pelos reeducandos da UPI serão avaliadas pelos acadêmicos do curso de direito da Universidade do Estado do Amazonas, que vão atribuir a nota, juntamente com o Juiz Saulo Góes Pinto.

Escolha das obras:  A gerente de projetos, Maria Domingas Printes enfatiza que ao chegarem as bibliotecas o presos demonstram preferências em romances (44%) a livros religiosos (36%), passando por atualidades (34%) e cultura em geral (32%).

“Com os livros em mãos, os orientadores do projeto promovem rodas de leitura, que tem por objetivo a socialização e a instrução dos apenados, estudos literários e prática de expressão escrita, complementando o treinamento com leituras e debates”, acrescentou Domingas.

Remição pela Leitura – Recomendado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e previsto na Lei de Execução Penal (LEP), o Programa de Remição pela Leitura visa reduzir a pena dos internos utilizando obras literárias, prática que tem se mostrado uma extraordinária ferramenta também para a melhoria do convívio interno nos presídios. 

Nas unidades operacionalizadas pela Umanizzare existe um calendário regular de aplicação das avaliações escrita e oral, que contam com convidados de outras instituições para compor a banca avaliadora, juntamente com as equipes técnicas. Além de reduzir a pena, o projeto tem sido fundamental para a mudança de comportamento dos reeducandos.

Publique um comentário