Notícias

Campanha de vacinação contra H1N1 chega às unidades prisionais do Amazonas

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

A Unidade Prisional de Puraquequara (UPP) foi a primeira na capital do Amazonas a receber a vacina contra a influenza (H1N1), na quarta-feira (10). No mês de março, a Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), recebeu a vacina. A vacinação acontece por meio de uma parceria entre a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) e a Umanizzare Gestão Prisional.

O atendimento é promovido pelas secretarias de Estado de Administração Penitenciária (Seap), por meio da Coordenação de Saúde do Sistema Prisional (CSSP), e a Municipal de Saúde (Semsa) que irá vacinar as Pessoas Privadas de Liberdade (PPL) das unidades da capital do Estado, em parceria da Umanizzare  Gestão Prisional.

De acordo com o gerente técnico da Umanizzare, Valter Sales, a vacina vai atender 1.026 reeducandos do regime fechado do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), 1279 do Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), 94 do Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF), 72 da Penitenciária Feminina de Manaus (PFM), 1.055 do Instituto Penal Antônio Trindade – (IPAT) e 980 da Unidade Prisional do Puraquequara  (UPP).

“Também vão receber as vacinas, 352 colaboradores do Compaj, 41 da PFMm 289 do  CDPM, 120 do CDPF, 226 do IPAT, e 324 da UPP”, disse Valter.

Os técnicos de enfermagem Ana Paula da Silva e Franklin Viana da Silva, que atuaram no processo de imunização dos presos, ressaltaram a importância de levar a vacina para as pessoas privadas de liberdade, por conta do ambiente do cárcere.

A campanha faz parte do Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde, que realizou um treinamento com servidores de saúde para aplicação das vacinas nos detentos. A campanha também realizará a vacinação e atendimento para os servidores do Estado nesta quinta-feira (11).

Segundo a coordenadora da CSSP, Alyne Taumaturgo, a campanha é fundamental para prevenção e combate da doença nas unidades do Estado. “É de extrema importância que toda a população carcerária seja contemplada, visto estarem recolhidos diariamente em um ambiente cuja aglomeração de pessoas é uma das principais formas de contaminação do vírus”, explicou.

De acordo com o cronograma de vacinação da CSSP, as primeiras unidades prisionais a receberem a campanha de vacinação são a Unidade Prisional do Puraquequara (UPP) e o Centro de Detenção Provisória Masculino II (CDPM II), continuando com as demais unidades da capital. Ao total, serão vacinados mais de 7.300 internos do sistema penitenciário.

Publique um comentário