Notícias

Seap e Umanizzare intensificam ações de prevenção a Tuberculose nos presídios

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

Durante todo o mês de março, principalmente na Semana Nacional de Mobilização e Luta Contra a Tuberculose que acontece entre os dias 24 a 31 deste mês, as atividades relacionadas a informação da doença: sintomas, contágio, prevenção e cura – são intensificadas pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) em parceria com a Umanizzare Gestão Prisional, que faz cogestão em seis presídios do Amazonas.

Nesta semana, as internas do Pavilhão 3 receberam informações e orientações sobre os principais meios de contágio da Tuberculose e o que fazer para se manter saudável.

Ministrada pelo enfermeiro, Anderson Viana Pompeu, as reeducandas receberam palestra e assistiram a um vídeo explicativo sobre essa patologia infectocontagiosa que afeta principalmente os pulmões, mas também pode acometer órgãos como ossos, rins e meninges (membranas que envolvem o cérebro).

Conforme o enfermeiro, em um ambiente prisional, a atenção deve ser redobrada, devido às diversas peculiaridades (ambiente fechado) e o próprio convívio entre as detentas.

“Estamos em permanente observação a qualquer manifestação da TB, comunicando imediatamente à equipe médica sobre qualquer ocorrência. Mas é importante contar com a ajuda das internas neste processo de prevenção e controle da doença”, disse o enfermeiro ressaltando a importância de atividades que levam informações as custodiadas, as transformando em multiplicadoras, em agentes de saúde.

A reeducanda Daiane Seixas dos Santos estava entre as participantes e reconheceu a importância de estar bem informada e atenta:  “Agora eu sei que tosse, cansaço, febre no final do dia, suor à noite, emagrecimento, gânglios no pescoço podem ser alguns sintomas da tuberculose e que a melhor forma de prevenir a transmissão da doença é fazer o diagnóstico precoce e iniciar o tratamento adequado o mais rápido possível, e esse tratamento só termina quando o médico confirmar a cura total do paciente”, finalizou Daiane.

Publique um comentário