Cursos e Palestras

Internas do CDPF recebem curso profissionalizante

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

As reeducandas do Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF) estão recebendo qualificação profissional na área de estética. O curso é de Colorimetria e faz parte das atividades desenvolvidas pelo projeto “Lisbela” – desenvolvido pela Umanizzare Gestão Prisional desde 2014.

As aulas tem duração de um mês e são ministradas pela instrutora Cinthia Souza para uma turma de sete internas em um salão de beleza, implantado na unidade prisional. O curso tem o objetivo de preparar as internas para se estabelecer no mercado de trabalho, assim que forem postas em liberdade. As participantes aprendem técnicas de manuseio de coloração, cores secundárias e primárias para cada tom de pele, correção de cores, realização de luzes nos mais diversos tons.

“As próprias internas se colocam a disposição como modelo. Eles mesmas treinam uma com a outra e isso faz com que o curso saia da teoria para a prática. Além de contribuir para ressocialização das internas, elas se sentem mais dispostas e confiantes. É gratificante poder ensinar uma profissão para essas mulheres. Quem sabe daqui um tempo serão colegas de profissão”, acredita a instrutora.

            A diretora adjunta da unidade, Elionei Passos, ressaltou a importância de cursos profissionalizante. “Vocês estarão aptas para o mercado de trabalho, para recomeçar, podem até montar o próprio negócio”, incentivou a diretora.

            Ainda segundo ela, com o projeto “Lisbela”, a Umanizzare tem alcançado grandes objetivos como a redução da pena por meio de cursos. Além disso, as reeducandas também trabalham como agentes multiplicadores, repassando o aprendizado para outras internas.

            Cumprindo pena há seis meses, a interna Maria Elicleude disse que as aulas tornam o ambiente mais leve, além de tirá-la da ociosidade.  “Nunca participei de nenhum projeto. Está sendo maravilhoso. O projeto me trouxe mudança, conhecimento, me descobri em algo que não imaginava, me identifiquei, serve de terapia, valeu muito a pena participar”, enfatizou a reeducanda.

Publique um comentário