Cursos e Palestras

Internos aprendem profissão em curso

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

Cerca de 15 reeducandos da Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI), localizada a 269 km da capital amazonense, começaram a frequentar, na própria prisão, o curso profissionalizante de pintura predial.

A capacitação, desenvolvida pela Umanizzare Gestão Prisional – empresa que faz cogestão em seis unidades da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), em parceria com o Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (CETAM – Itacoatiara) faz parte do Projeto do Núcleo de Aprendizado Profissional (NAP), terá duração de aproximadamente 2 meses, com carga horária de 160 horas.  As aulas serão realizadas de segunda a sexta feira, com três horas diárias e dá ao preso os direitos de receber um certificado e remição de pena pelo estudo, após conclusão profissionalizante.

O diretor do presídio, Antônio Enriques Cordeiro, afirma que a médio prazo deverá haver mais cursos. Segundo ele, o objetivo é atender toda a população carcerária.

“Uma parcela majoritária da população carcerária possui apenas o ensino fundamental incompleto e está diretamente associada aos altos índices de evasão escolar. Para eles, o ensino profissionalizante se torna atrativo, já que possibilita uma autonomia e uma possível geração de renda no momento pós-cárcere”, diz o diretor.

Já o instrutor do curso, Luiz Carlos da Gama Marques, ressaltou que esta não é a primeira parceria firmada entre as empresas, por ambas acreditarem na ressocialização, no direito ao recomeço, enfatizando a importância de se ter uma profissão para estes fins.

“O curso será bem dinâmico, atrativo para que os internos não venham desistir no meio do caminho”, comentou o instrutor.

Oportunidade aceita – A gerente técnica da unidade, Maria Domingas Printes, acrescentou que os internos ao receberem a notícia de que fariam o curso de pintura predial aplaudiram e agradeceram a oportunidade ofertada.

“Um curso desse porte torna-se atrativo aos reclusos de liberdade, por possuir uma carga horária extensa e por se tratar de uma profissão que tem bastante oferta no mercado de trabalho, aliás esta é uma das preocupações da empresa ao oferecer uma qualificação”, informou Domingas, ressaltando os princípios norteadores da Umanizzare – profissão, trabalho e família.

Reeducando –   O interno Jackson Vinhote, já participou de outras atividades desenvolvidas dentro da unidade e enaltece a excelente oportunidade,  por desta vez estar em uma que lhe dará uma profissão.

“Nunca é demais aprender uma profissão para ter mais chance lá fora (em liberdade) diz ele, que já participou dos cursos de tapeçaria em barbante e pallets dentro da unidade.  

NAP – O Núcleo de Aprendizado Profissional cria um espaço adequado para a realização de cursos profissionalizantes, treinamentos, capacitações e palestras. Acolhedor, estruturado e organizado, favorece o processo de motivação, permanência e aprendizagem, sempre com foco na ressocialização e inserção/reinserção dos reeducandos no mercado de trabalho.

Publique um comentário