Notícias

Reeducandos são vacinados contra o sarampo no Amazonas

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

As unidades do Instituto Penal Antônio Trindade (IPAT) e do Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF) já estão imunizadas contra a doença.

 

Internos e colaboradores da Unidade Prisional do Puraquequara (UPP) estão sendo vacinados contra o sarampo. Aproximadamente 1200 pessoas receberam a dose para prevenir a doença no presídio. A meta agora é aplicar a tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) em aproximadamente oito mil pessoas, entre internos e funcionários do sistema prisional do Estado, até o final de agosto.

A vacinação contra o sarampo já vinha sendo realizada normalmente nos presídios, mas foi intensificada pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a Umanizzare Gestão Prisional, após a região norte passar a ser considerada como epidêmica pelo Ministério da Saúde.  Mais de 10 mil doses foram solicitadas a Secretaria Municipal da Saúde de Manaus (Semsa) e entregues aos agentes de saúde da empresa Umanizzare, responsáveis pela aplicação das vacinas.

Um grande público circula diariamente pelas unidades prisionais e tem contato com os detentos. São servidores, agentes, advogados, psicólogos, assistentes sociais, policiais e as famílias, que podem transmitir e provocar uma proliferação do sarampo entre a população carcerária.  

Cronograma – O cronograma de vacinas se estenderá até agosto para todos os internos, exceto para as gestantes que não poderão receber a dose contra tríplice viral por se tratar de um vírus de prevenção ativo, o que não é indicado durante a gestação.

O coordenador regional da Umanizzare, Valter Sales, informa que ainda  esta semana começa a imunização no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj). A previsão é vacinar cerca de 1.000 pessoas e, em seguida, iniciar os trabalhos na Penitenciária Feminina de Manaus (PFM) e no Centro de Detenção Provisória de Manaus (CDPM).

“No ano passado, houve registros de casos de sarampo. A ameaça nos levou a adotar uma nova campanha de vacinação nos presídios de Manaus, contra o sarampo e até poliomielite. Desde então estamos atentos à saúde dos reeducandos”, afirma o coordenador da Umanizzare.  

Sintomas – Os sintomas iniciais apresentados pelo doente são: febre acompanhada de tosse persistente, irritação ocular, coriza e congestão nasal e mal estar intenso. Após estes sintomas, há o aparecimento de manchas avermelhadas no rosto, que progridem em direção aos pés, com duração mínima de três dias.

Transmissão – A transmissão ocorre diretamente, de pessoa a pessoa, geralmente por tosse, espirros, fala ou respiração, por isso a facilidade de contágio da doença.

Prevenção – A suscetibilidade ao vírus do sarampo é geral e a única forma de prevenção é a vacinação. Os principais grupos de risco são as pessoas de seis meses a 39 anos de idade.

Publique um comentário