Notícias

Ressocialização Presos do Amazonas aprendem sobre o cultivo de hortaliças e ainda podem ter a pena reduzida

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

Nos próximos dias os reeducando da Unidade Prisional de Itacoatiara (UPI) devem voltar a cultivar verduras e legumes no local, viabilizando uma alimentação mais saudável, bem como a atividade de laborterapia, através do projeto “Plantando a Liberdade”.

O projeto é uma iniciativa inovadora, por meio da qual os reeducandos têm acesso a noções de plantio e cuidado com hortas. Além do caráter terapêutico e profissionalizante, o projeto tem assegurado o fornecimento diário de verduras à população carcerária.

Idealizado pela Umanizzare Gestão Prisional, o projeto foi iniciado em 2015 em parceria com a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), que autorizou a utilização de uma área contígua à unidade.

“Qualquer curso, profissional ou não, ministrado aos presos enquanto cumprem pena, servem como mecanismo de ressocialização para quando saírem do sistema prisional. Esses cursos proporcionam aos egressos condições para reintegração social”, afirmou o secretário da Seap, coronel da Polícia Militar, Cleitman Coelho.  Ainda em sua visão, o projeto ajuda na integração social dentro e fora do presídio. “A reabilitação social constitui uma finalidade do sistema de execução penal para que o condenado não volte a delinquir”, destacou.

Parceria renovada –  Esta semana, o gerente regional do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas (Idam)  de Itacoatiara, João Nestor, esteve na unidade para visitar as instalações da horta e confirmou a parceria de disponibilizar engenheiros para orientar os internos quanto ao plantio.

Conforme a gerente técnica da UPI, Maria Domingas Printes, houve um recesso na produção das hortaliças por causa do período de chuva, mas que agora já é possível renovar a horta, “o “Plantando a Liberdade” é uma das atividades que os reeducandos mais gostam, por se tratar de plantas e nós colaboradores também achamos o projeto importantíssimo para a ressocialização deles, pois cuidar das hortaliças é como tratar de um ser humano: é preciso respeitar o tempo, aceitação da semente (pessoa), o brotar, crescer, até dar seus primeiros frutos”, declarou a gerente da unidade, Maria Domingas Printes.

Remição de pena –  Além da oportunidade de aprender, com a dedicação junto ao projeto os internos também obtêm o direito de diminuir a pena.

Publique um comentário