Notícias

Projeto Harmonizar 100 presos receberão certificação musical

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

Primeiras turmas formaram em fevereiro, outras recebem aulas de canto e violão nas unidades.  

A primeira turma do Projeto Harmonizar 2018, composta por aproximadamente 100 internos das unidades do Complexo Prisional Anísio Jobim (Compaj), Penitenciária Feminina de Manaus (PFM), Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF) e Instituto Penal Antônio Trindade (IPAT), irão receber os certificados de conclusão de curso em canto e violão.

Os reeducandos assistidos pela co gestora Umanizzare Gestão Prisional, já se preparam para apresentação e confraternização, onde terão a oportunidade de mostrar aos colegas tudo que aprenderam durante os três meses de curso, nos mais diferenciados ritmos, rock nacional, sertanejo, entre outros.

Projeto Harmonizzar – O projeto foi criado exclusivamente para os reeducando do sistema prisional do Amazonas e tem como principal finalidade o resgate da autoestima e a dignidade humana, aproveitando-se o tempo ocioso dos(as) apenados(as) para cantar, fazer música e   ressocializar.

Para o professor responsável pelas aulas, Miqueias Fernandes, a educação musical permite ao ser humano buscar um equilíbrio entre razão e a emoção, provocando reflexão.

“Além disso, com as aulas estabelecemos atividades que desenvolvem a linguagem musical e oral, juntamente com habilidades rítmicas, visuais, motoras, físicas e psicológicas dos participantes”, explica o professor.

UPP – Na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP), 22 reeducandos participam do Projeto Harmonizzar, entre as aulas oferecidas aos internos estão a de canto coral, flauta doce, oficina e de violão em grupo.  As aulas acontecem semanalmente em cada unidade, com apresentações internas a cada etapa concluída do curso.

“Logo após esta certificação, já iremos abrir vagas para outras turmas, acredito que até a primeira quinzena do mês de junho, o processo seletivo por voluntariado, esteja concluído, para que o curso recomece”, finalizou o professor Miqueias.

O detento Gerson Teixeira, de 31 anos, sempre se interessou pela música, mas fora do presídio nunca teve oportunidade de fazer um curso de violão. “Eu não tinha condições que comprar um violão e nem de pagar um curso, tenho família para sustentar e as minhas prioridades eram outras. Eu precisava pensar que primeiro tinha que colocar comida na mesa. Nem imaginava que aqui dentro do presídio eu ia realizar meu sonho, estou muito feliz e pretendo me dedicar às aulas”, disse o interno. Gerson é um dos 40 detentos que vão participar do projeto “Sala de Cordas”, que iniciou hoje na Central de Triagem Metropolitana III (CTM III) que fica dentro do Complexo Penitenciário de Santa Izabel. O projeto foi uma iniciativa da coordenadora pedagógica da unidade prisional, Suely Carvalho, que juntamente com a Coordenadoria de Educação Prisional da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe), foram em busca de uma parceria com a Fundação Cultural do Pará que doou 20 violões para que o curso pudesse ser ministrado dentro do presídio. Na foto, o detento Antenor Almeida, de 28 anos.
FOTO: AKIRA ONUMA / ASCOM SUSIPE
DATA: 04.04.2018
BELÉM – PARÁ

Publique um comentário