Notícias

Projeto leva educação musical aos presidiários

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

Os reeducandos do  Instituto Penal Antônio Trindade – (IPAT), estão recebendo aulas de música e canto.  As atividades são desenvolvidas em um período de três meses, num total de 12 aulas. O projeto é criado e desenvolvido pela Umanizzare Gestão Prisional Privada.

O projeto busca promover a ressocialização e a reinserção dos internos novamente ao convívio social, através do aprendizado e de atividades musicais desenvolvidas nos presídios.

O responsável pelo ensino musical dos detentos é o professor Miqueias da Silva Fernandes. Ele acredita que a educação musical tem como função transformar critérios e ideias artísticas, em uma nova realidade para os apenados.

“Estabelecemos atividades que desenvolvam a linguagem musical e oral, juntamente com habilidades rítmicas, visuais, motoras, físicas e psicológicas” explica o professor, Miqueias Fernandes.

Participam das aulas de música 25 reeducandos. A modalidade trabalhada, escolhida por eles mesmos, é o canto. As músicas têm ritmos diferenciados, rock nacional, sertanejo, entre outros.

“Já está estamos na terceira aula, e já é possível perceber o nível de habilidade de cada interno. Seguindo nosso cronograma, na décima primeira aula acontecerá o ensaio para apresentação final e a sequência de encerramento do curso, em data ainda a ser definida, com apresentação e confraternização”, informa o professor.

Cronograma – A segunda unidade a receber o projeto é o Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), com reeducandos da enfermaria psiquiátrica. A princípio, serão de 6 a 12 participantes por aula. A modalidade é o canto, com canções de ritmos variados.

A terceira unidade assistida pelo projeto foi o Complexo Prisional Anísio l Jobim (Compaj), com 12 alunos. As aulas já começaram em primeiro de março último. A proposta musical para essa unidade é o canto coral, já que existem vários reeducandos com conhecimentos musicais.

A quarta unidade assistida com o projeto Harmonizzar, será a unidade do Puraquequara (UPP), com 22 reeducandos. O repertório ainda está sendo estudado para a unidade.

As unidades do Presídio Feminino e Masculino (PFM) e o Centro de Detenção Prisional Feminino (CDPF) estão em fase de adaptação, de dia e horário para receber o projeto.

SOBRE OS CURSOS:

Canto Coral – Proporciona o estímulo e o desenvolvimento de valores referentes ao compromisso, autodisciplina, criatividade, sociabilidade, integração, atenção, autoestima, autorrealização musical, capacidade de concentração, respeito mútuo, redução da timidez ou inibição. Além dos benefícios da parte cognitiva do ser humano, especialistas afirmam que a atividade de canto desenvolve também a parte corporal, aumentando a apuração auditiva, da percepção, da memória, do senso rítmico, do órgão fonador e articuladores, dos pulmões, aumento da capacidade respiratória e circulação do oxigênio no corpo. É uma atividade anti-stress, antidepressiva e terapêutica.

Flauta Doce – Este curso propõe um trabalho coletivo, priorizando o crescimento musical dos participantes. Além do encontro semanal, momento no qual se pratica a música em conjunto, procura-se oferecer aos integrantes do projeto, oficinas de flauta doce, palestras, assim como, oportunidades para apresentações do repertório trabalhado, em espaços e momentos oportunos. O objetivo do curso consiste em desenvolver a capacidade artística, propiciar o aprimoramento da inteligência musical e a inserção dos alunos flautistas no mundo da cultura e da música instrumental.

Violão em Grupo – O projeto Oficina de violão busca desenvolver a capacidade do instrumentista/acompanhante no instrumento. Para isso, aspectos como, técnica, percepção e criação são trazidos à baila, praticados e discutidos com os participantes. O curso objetiva trabalhar todas as potencialidades do instrumento, desenvolvendo no aluno habilidades gerais e específicas relacionadas a musicalidade, com o foco na execução musical no instrumento.

Avaliação – As atividades desenvolvidas são avaliadas através da: frequência dos reeducandos, participação, interação, esforço individual, dedicação nos ensaios, desenvoltura, habilidade na execução do instrumento e na apresentação em público.

Publique um comentário