Notícias

Núcleo de Custódia quer índice zero de infecção por verminose

Compartilhe no Google+ Compartilhe no Pinterest Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no Tumblr

Reeducandos do Núcleo de Custódia da Casa de Prisão Provisória de Palmas (NCCPP) foram beneficiados com a Semana Contra a Verminose, realizada entre os dias 23 e 29 de maio. O objetivo da ação foi evitar que eles sejam acometidos por cólicas abdominais, enjoos, fraqueza corporal, diarreia e vômitos. Coordenada pela empresa Umanizzare, uma equipe de médicos, enfermeiros e educadores atuaram em duas frentes de trabalho: uma de conscientização e outra de medicação.

A ação de combate à verminose integra um calendário de atividades na área de saúde e que tem como prioridade sensibilizar a comunidade carcerária para a importância da prevenção. Por isso, além dos exames e da distribuição de medicamentos, a equipe médica promoveu palestras e rodas de conversas com os internos, alguns sendo mesmo convencidos da necessidade de cuidados individuais elementares para se verem livres de alguns incômodos.

O médico da unidade, Flávio José da Silva, argumenta que é de fundamental importância a ação realizada e afirma que o objetivo é alcançar o índice zero de infecção por verminose. “Se tratar uma pessoa, já há um índice muito bom, tratando toda a população, o resultado é muito satisfatório”, esclareceu o profissional, que se dispôs a dar continuidade à ação para melhor controle de eventuais enfermidades.

Semestral                                                 

A enfermeira da NCCPP, Mayra Simone, explica que o melhor método contra a infecção é a prevenção, por meio de ações permanentes de esclarecimento. Ela informa que os medicamentos são distribuídos a cada seis meses para combater o parasita que causa a infecção, mas que são permanentes as campanhas de conscientização. “Medidas simples, como lavar bem as mãos, lavar bem alimentos, são essenciais. Eles recebem alimentos de fora, então estamos sempre alertas para procedimentos que podem resultar em infecções”. (Com Ascom Umanizzare)

Publique um comentário